sábado, 16 de julho de 2011

Tags:

A realidade é uma ilusão

"A morte é quando a consciência pára de causar o colapso das possibilidades quânticas em eventos reais da experiência" - Amit Goswami.

Estamos atualmente aprendendo que a realidade física é uma ilusão. A física quântica veio para nos explicar de forma cientifica e lógica como isso é compreendido. Entender isso e ligar os "pontos" nos mostra do que se trata a realidade física. Pra você que está estudando esses assuntos, já deve estar de saco cheio de ouvir que a fisicalidade 3D é percebida por nossos 5 sentidos, que nada mais são do que impulsos elétricos que trafegam em nosso sistema nervoso em direção ao cérebro que decodifica esse impulso. A física quântica mostrou que o Tempo e o Espaço são ilusões da percepção desses nossos 5 sentidos. Sendo assim, podemos afirmar que TUDO que ocupa espaço é parte de um código. Nossos corpos são um conglomerado de um conjunto de códigos. Esse conglomerado ou esse conjunto de códigos está contido numa "chave biológica" chamado DNACódigo Genético.

O Sol é o núcleo de nosso Sistema Solar.  99% de sua massa é igual a toda a massa de seus planetas juntos. Comparando-o com um Átomo, os planetas são os Elétrons em sua órbita. No núcleo do átomo há o Próton e o Nêutron que são duas partículas contrarias que juntas se equilibram - Núcleo Atômico.


O físico nuclear Ernst Rutheford realizou uma experiência em Manchester que revelou a forma interior do Átomo. Os cientistas ficaram atônitos ao descobrirem que o átomo é praticamente um espaço vazio. E daí surgiu uma pergunta intrigante para a "RAZÃO" da ciência ortodoxa: "Como é possível um átomo vazio formar o mundo sólido que nos rodeia"?  -  [ Veja aqui o Modelo Atômico de Rutheford - Veja também o Modelo Atômico de Bohr ].

O núcleo do átomo é o Sol, os elétrons são os planetas. Assim como há um grande espaço entre os corpos celestes no Sistema Solar, no átomo é a mesma configuração. Os elétrons "giram" continuamente ao redor de seu núcleo, assim como os planetas giram em torno do Sol.

O movimento incessante dos elétrons, emite uma Radiação eletromagnética, o Quanta de Max Planck (veja a Constante de Planck). Atualmente esse Quanta ou "pacote de energia"  é chamada de partícula mediadora da força chamada Fóton, que é a partícula elementar mediadora da força eletromagnética, ou seja, é a Radiação/Luz.

Os Elétrons trocam Fótons com os Prótons no Núcleo do Átomo. Essa interação entre os Elétrons e Núcleo Atômico é a responsável por muitas das propriedades da matéria, tais como a existência e estabilidades dos átomos, moléculas e sólidos.

Sendo assim no átomo, podemos dizer que numa visão macro, no Sistema Solar teremos a mesma configuração. A troca de "Energias" entre os planetas é explicado na "Astrologia e Astronomia". Porém, ninguém enxerga essa fractalidade que se encontra naquela frase conhecida, mas mal entendida: "Assim na Terra como no céu".

Percebemos então que o Sol e os planetas estão incessantemente trocando Radiação Eletromagnética e também Fótons. Essa troca, assim como no Átomo, é a responsável por muitas das propriedades da matéria, tais como a existência e estabilidades dos átomos, moléculas e sólidos. Ou seja, toda a constituição mecânica e biológica do Sistema Solar se comporta fractalmente igual a um Átomo.

A velocidade do Fóton/Luz depende do meio em que viaja. No "espaço" ou vácuo, é de 300 mil Km/s. Nesse caso estará respeitando as Leis do Espaço/Tempo. Dentro de um Buraco Negro não há Leis físicas, portanto não há Espaço/Tempo. O conceito de velocidade, então se torna desprezível. Não há referencia, não há vibração, não há troca de experiências.

Comparando então o átomo com o Sistema Solar, podemos ainda ir mais além. Uma galáxia se comporta da mesma maneira. Quanto mais perto do núcleo de uma galáxia, mais Radiação/Luz existe. Sabemos que no centro de uma galáxia existe um enorme Buraco Negro. Isso nos faz concordar com a teoria de Nassin Haramein, onde no núcleo de cada átomo há uma "mini Buraco Negro". Se lembrarmos que no núcleo do átomo há o Próton e o Nêutron "lutando" para se equilibrarem, percebemos que a Singularidade é o equilíbrio entre as polaridades, ou seja, matéria e antimatéria, vibração e a não vibração ou caos e harmonia.

Toda matéria no universo é "expelida" e "controlada" fractalmente pelas Singularidades ou Buracos Negros. Desde o nível atômico até o de uma galáxia (ou além), tudo que está "fora" ou em volta de um Buraco Negro, é VIBRAÇÃO. O único lugar que a vibração encontra a não vibração é dentro de uma Singularidade ou Buraco Negro. O espaço que pensamos ser o "vazio" é na verdade um elemento básico para a estrutura perceptível da existência. Ele é maleável e pode ser moldado pela INTENÇÃO. Isso significa que a realidade é então formada pela nossa consciência. A consciência é a única que cria e modela a realidade individual e coletivamente. Pensamento é vibração, é a consciência se manifestando num "caos" criado para gerar experiências. O universo então é um reflexo de nossa consciência coletiva que cria sem cessar, respeitando a fractalidade dos estados vibratórios. Você acha difícil "enxergar" dessa forma? Então pare já de usar apenas o hemisfério esquerdo do cérebro e pensar apenas tangivelmente. Use os dois hemisférios e equilibre suas "crenças". A é uma forma de crença imutável e rígida, onde nenhuma nova informação entra. Você se encarcera e inconscientemente não se permite aprender.


Muito se fala da entrada de nosso Sistema Solar no "Cinturão de Fótons" detectado pelos astrônomos desde as décadas de 60 e 70. A extensão desse tal Cinturão é 25 mil vezes maior que a nossa própria galáxia. A medida que nos aproximamos desse Cinturão, a Ressonância Shumann aumenta de acordo com a Matemática de Fibonacci (1, 1, 2, 3, 5, 8, 13). Se é assim, então em 2012 essa freqüência estará nos 13hz. A Cimática demonstrou que quanto maior a freqüência, mais complexo se torna a matéria. Ou seja, a fisicalidade ou o meio é definido por um padrão que acompanha uma freqüência/energia. Nós estamos passando exatamente por essa experiência. O movimento dos corpos celestes nos dá a chave para entender as mudanças vibratórias que mudam os padrões de existência dentro desse gigantesco holograma vibratório chamado Universo.

Como já mencionei em outros posts, dos 64 códons de nosso DNA, apenas 20 estão "desbloqueados", mas isso não quer dizer que não podemos desbloqueá-los. Dependendo de nossos pensamentos, as vibrações geradas podem ativar esses Códons e assim podemos ativar habilidades das quais nos suprimiram.

O mundo está sempre com medo e sempre em disputa uns contra os outros. Enquanto estivermos nesse estado mental, vibraremos na freqüência do Medo, uma freqüência baixa e próxima da densidade material ou da necessidade de matéria. Nossas emoções afetam diretamente a estrutura de nosso DNA, que por sua vez afeta diretamente a fisicalidade no mundo ou meio em que estamos. Fica nítido então, perceber que alguém está manipulando essa fisicalidade para nos aprisionar num mesmo e perpetuo estado vibratório (3D e 4D). não querem que entendamos além desse estado, pois assim, recuperamos nossa liberdade.

Por isso ENTENDER É TRANSFORMAR A EXISTÊNCIA!

Obs: O conceito da física quântica sempre trabalhou com duas premissas: Partícula e Onda. Atualmente sabe-se que na realidade nunca houve partícula, pois o que se postulava que era partícula, é na verdade uma rotação/giro da Onda que gera uma inércia, e essa rotação "aglutina" a Onda que então se apresenta como "Matéria". Resumindo, tudo é ONDA e a realidade é uma ilusão!