segunda-feira, 29 de setembro de 2014

Tags:

África: Reator Nuclear com 1,8 bilhões de anos foi descoberto

Reator Nuclear em uso a cerca de 1,8 bilhões de anos atrás foi descoberto na África
República do Gabão, na África é rica em urânio. Em 1972, uma fábrica francesa importou minério de urânio de Oklo, no Gabão, e encontrou para sua surpresa que urânio já havia sido extraído do local num passado muito remoto.
África: Reator Nuclear com 1,8 bilhões de anos foi descoberto no Gabão
O urânio natural contém 0,7 por cento de Urânio-235 (U-235), o isótopo físsil contido no combustível nuclear, mas o urânio em Oklo continha menos de 0,3 por cento de Urânio-235.
Cientistas de todo o mundo reuniram-se no Gabão para explorar este fenômeno. Eles descobriram que o local onde o urânio foi encontrado é um reator nuclear subterrâneo altamente técnico além das capacidades do nosso atual conhecimento científico. Este reator nuclear em Oklo surgiu a cerca de 1,8 bilhões de anos atrás, e foi operacional durante cerca de 500.000 anos.



Acima: Mineração de Urânio em OKLO, Gabão, África: Treze reatores nucleares existiram em “períodos pré-históricos ao longo do leito da mina de URÂNIO  com cerca de 200 metros em Oklo — que foi descoberto em 1972, e eles são comparáveis ​​aos modernos reatores nucleares em energia e calor de combustão. Esta mina tinha a capacidade de permitir reações em cadeia nuclear auto sustentável”. Esta descoberta chocou toda a comunidade científica em 1972.
Os cientistas investigaram a mina de urânio e os resultados foram divulgados em uma conferência da Agência Internacional de Energia Atômica (IAEA-International Atomic Energy Agency). Os cientistas encontraram vestígios de produtos de fissão do urânio e desperdício de combustível em vários locais dentro da área da mina.

Leia Também: Monge mumificado de 200 anos não está morto afirmam budistas
Comparado com este enorme reator nuclear, nossos reatores nucleares atuais são muito menos impressionantes. Estudos realizados no local indicam que o reator nuclear da mina de urânio tinha vários quilômetros de comprimento. No entanto, para um tão grande reator nuclear, o impacto térmico para o seu ambiente ficou limitado a 40 metros (cerca de 131 pés) para todas as direções.

Ainda mais surpreendente, os resíduos radioativos da fissão do urânio ainda não migraram para fora do local da mina. Eles são mantidos no lugar pelo geologia circundante. Face a estes resultados, os cientistas consideram a mina para ser um  reator nuclear “natural” (!!!).

OKLO, Gabão, África: Treze reatores nucleares existiram em “períodos pré-históricos ao longo do leito da mina de URÂNIO com cerca de 200 metros em Oklo — que foi descoberto em 1972.
No entanto, o Dr. Glenn T. Seaborg, ex-chefe da Comissão de Energia Atômica dos Estados Unidos e ganhador do Prêmio Nobel por seu trabalho na síntese de elementos pesados (radioativos), destacou que para o urânio se “queimar” em uma reação, as condições devem ser extremamente únicas. Por exemplo, a água envolvida na reação nuclear deve ser extremamente pura.
Mesmo algumas partes por milhão de contaminante irá “envenenar” a reação do material urânio, levando-o a um impasse. O problema é que essa água extremamente pura não existe naturalmente disponível em qualquer parte do mundo. 

O uso de Urânio como munição e em bombas atômicas causa deformidades e alterações genéticas por armas proibidas usadas pelas forças armadas dos EUA e pelo seu uso maciço principalmente na invasão do Iraque –
Além disso, diversos especialistas em engenharia de reator nuclear observaram que em nenhum momento na história geológica estimada dos depósitos de urânio em Oklo o minério de urânio foi suficientemente rico em U-235 para que uma reação nuclear (atômica) natural possa ter ocorrido.
Mesmo quando os depósitos foram formados em primeiro lugar, por causa da baixa taxa de desintegração radioativa do U-235, o depósito do material físsil teria constituído apenas 3 por cento, um nível demasiado baixo para uma reação nuclear. No entanto, a reação ocorreu no reator, sugerindo que o urânio original é muito mais rico em U-235 do que uma formação natural poderia ter sido.


O urânio é um elemento cujos átomos contém 92 prótons, 92 elétrons e entre 135 e 148 nêutrons. O urânio é encontrado na crosta terrestre em forma de minerais. Na mineração, esses minérios são tratados para obtenção do Yellow Cake, uma mistura de óxidos de urânio de onde é extraído o urânio puro. Suas aplicações são variadas, indo de fotografia à industria madeireira. Mas a sua principal aplicação é o uso na produção de energia, a Energia Nuclear.

Se a natureza não foi responsável, então a reação deve ter sido produzida artificialmente. É possível que o urânio encontrado em Oklo seja o resíduo de um reator antediluviano, até mesmo ante-dinossauros, de uma civilização pré-histórica? É provável que a dois bilhões de anos atrás, houvesse uma civilização avançada explorando Urânio em Oklo e que era tecnologicamente muito superior a nossa civilização de hoje.