terça-feira, 11 de novembro de 2014

Tags: , , ,

A verdade sobre os Discos voadores























Desde o princípio o homem tem olhado para o céu com surpresa e ansiedade.
Lá no fundo, sempre suspeitamos que nossas vidas e destinos estivessem ligados aos céus.
Livros sagrados, lendas, folclore e história de culturas bastante distintas contêm alusões a pessoas que desceram dos céus. Os antigos povos do Egito, Japão, China- todos contam coisas sobre o tempo em que os deuses andavam na Terra. Antigos manuscritos em sânscrito descrevem as Vimanas, carruagens celestes em forma de colméia. Os índios da tribo Hopi, do Arizona, acreditam terem sido trazidos das terás do sul pelo povo de Kachina, que viajava numa nave luminosa transportada pelo ar. Há uma lenda entre os Paiutes da Califórnia, de que a terra deles foi uma vez a casa dos Hav-Musuvs, guerreiros que viajavam pelo ar em prateadas “canoas voadoras”.
Talvez a informação mais antiga de “visitantes extraterrenos” tenha sido a recentemente descoberta numa montanha, na província Hunan, na China. Entalhes em granito, datados do ano 45000 a.c, representam figuras com grandes torsos, enquanto acima delas, como se fosse no céu, figuras similares são mostradas sobre objetos voadores de forma cilíndrica, as cavernas parecem conter um catálogo completo de modelos contemporâneos de Ufos, Altamira, na província de Santander, Espanha, é uma das mais excitantes galerias de arte magdaleniana. É uma enorme sala, no formato de um S com mais de duzentos metros de comprimento. Lá você pode ver grupos e grupos de símbolos em forma de disco pintadas em todas as posições possíveis no teto da caverna, mas a mais convincente de todas as cavernas que aparecem desenhos de Ufos é a de Niaux, lá existem dois discos; um deles,com linhas pontilhadas marcando a trajetória, pode ser muito bem o primeiro desenho registrado de uma nave espacial voando! Não menos espantoso, perto de Ussat, há um objeto extraordinariamente parecido com o módulo Lunar: completado com escadas e antenas, mantém-se por um suporte de quatro pernas e, embaixo, como para dar proporção a uma figura humana em pé.
A primeira investigação oficial que se tem noticia sobre Ufos conta Jaques Vallee sobre um general japonês na data de 1235, sete séculos antes de nossa época, e o general Yotsume estava acompanhando com sua tropa. Subitamente notou-se um curioso fenômeno: Misteriosas fontes de luzes foram vistas oscilar e girar a sudoeste, descrevendo círculos em plano vertical até de manha cedo. Na época em que os historiador romano Lívio comunicou sobre “navios-fantasma” no céu e que uma cruz flamejante apareceu para aconselhar a armada de Constantino, os militares prestaram muita atenção aos escudos circulares, tochas flamejantes, meteoros brilhantes, discos prateados e outros Ufos em seus céus. Mesmo Cristóvão Colombo parece ter visto um ufo quando no convés da Santa Maria,por volta das 10 horas da noite, em 11 de outubro de 1492. Colombo pensou ter visto “uma luz brilhante a grande distância”. Rapidamente chamou Pedro Gutierres, cavalheiro do rei, que também viu a luz. Ela desapareceu pouco depois, a luz vista pela primeira vez uatro horas antes de se avistar terra jamais foi explicada. Em 20 de agosto de 1880, o Sr M. A Trecul da academia francesa, informou ter visto um objeto em forma de charuto branco dourado piscando com as extremidades pontiagudas. Para aumentar seu espanto Trecul também notou um objeto circular menor desprender-se da nave-mãe.
A primeira fotografia, de que temos conhecimento de um objeto voador não-identificado foi tirada em12 de agosto de 1883,por José Bonilla, um astrônomo mexicano do observatório de Zacatecas. Ele estava observando o Sol quando foi surpreendido pela aparição de uma esquadra de objetos estranhos. Bonilla contou quase cento e cinqüenta dos estranhos objetos, as fotografias que tirou mostram uma série de objetos com forma de charuto e fusiforme, que obviamente eram sólidos, mas não corpos celestes.
Giordano Bruno, filósofo e cientista italiano do século XVI, escreveu:
“Há incontáveis constelações, sóis e planetas.Vemos apenas os sóis porque são luminosos; os planetas permanecem invisíveis, porque são pequenos e escuros. Há também, incontáveis Terras girando ao redor de seus sóis, nem piores nem menos habitadas que o nosso globo.”
Giordano Bruno foi amarrado a um poste e queimado, em 1600, pela audácia de suas idéias. A doutrina da Idade Média proibia ao homem ligar-se aos Anjos. E ainda, a nova astronomia ajusta-se as rígidas normas religiosas.
Paracelsus, na sua obra do século XVI, Why These Beings Appear To Us, deu uma justificativa condescente:
“Tudo que Deus cria manifesta-se ao Homem, mais cedo ou mais tarde. . .Assim, seres aparecem a nós, para não ficarem entre nós ou se unirem a nós, mas para que sejamos capazes de entende-los. Para dizer a verdade, essas aparições são raras. Mas porque deveria ser de outra maneira? Não é suficiente que um de nós veja um Anjo, para que todos nós acreditemos em outros Anjos?”



UFOLOGIA E ASTROPOLÍTICA 

Na movimentada história da Ufologia, livros foram marcando e balizando os grandes momentos, as crises, as mudanças de rotas... Foi assim em 1950. Em 1953. Em 1955. Em 1963... Este extraordinário livro de Ralph Blum, Toda a Verdade Sobre os Discos Voadores, vem a tona em 1974. Prof. Flávio A. Pereira (outubro de 1976) 
Estaremos, a esta altura do século, ás portas do terceiro milênio, habilitados a – aceitar a idéia de que “eles” chegaram aqui antes de nós termos chegado até “eles”?! 
Com que objetivos freqüentam o espaço terrestre? Observam bases militares. Pra que? Que dizer de sua Astropolítica? 
Prof. Flávio A.Pereira (Outubro de 1976)
Presidente do Instituto Brasileiro de Astronáutica e Ciências Espaciais (IBACE)
Reitor da ESCOLA Superior de Ciências;
Presidente da Comissão Brasileira de Pesquisa Confidencial de Objetos Aéreos Não Identificados;
Presidente de Honra da Associação Brasileira de Pesquisas Exológicas; MEMBRO brasileiro do Aerial Phenomena Research Organization (APRO), Arizona, EUA. 
Vamos ver alguns dos relatos contidos neste livro.
8.000.000.000 –sistemas planetários habitáveis
A suposição de que a raça humana é o único repositório de inteligência no universo, ou que a Terra é o único corpo no qual a vida se desenvolveu, deve ser colocada no mesmo plano que a visão geocêntrica do sistema solar a as crenças da Sociedade da Terra Plana. A estimativa cientifica em vigor é que aproximadamente oito bilhões – isto é: 8.000.000.000 – dos sistemas planetários presumivelmente habitáveis vivem apenas em nossa galáxia! O falecido Dr. James E. MacDonald uma vez ressaltou que enquanto ainda não tivermos nenhuma idéia inusitada de como chegar até Tau Ceti, o estado e o ritmo de nossa tecnologia deveria ser pelo menos interromper aqueles que insistem em que os habitantes de Tau Ceti são incapazes de chegar até aqui. E o astrônomo Fred Hoyle sugeriu a possibilidade da existência de “uma grande rede de comunicações interplanetárias” , mas somos como um pioneiro no sertão, que ainda não tem telefone. Julgando pela história de exploração do nosso próprio planeta, a noção de rotas de comércio interestelar parece bastante razoável. No seu livro The Interrupted Journey (Dial Press, Nova Iorque, 1966), John G . Fuller relata detalhadamente o caso Barney e Betty Hill, O COMEÇO "...Uma outra figura tinha uma face maligna... Ele parecia um nazista alemão. ELE é um nazista... Os olhos dele... seus olhos! Nunca tinha visto olhos como aquele" A citação acima foi feita sob hipnose regressiva por um dois primeiros abduzidos a se tornarem publicamente conhecidos, BARNEY HILL, que - juntamente com sua esposa BETTY - afirmou ter sido abduzido por entidades de PELE cinza e levado para uma nave espacial que aparentemente era originada do sistema estelar de ZETA II RETICULI.

Os abdutores cinza alienígenas estavam obviamente trabalhando com um oficial militar humano que tinha toda a aparência de um completo nazista, e que foi encontrado por BARNEY. Embora este incidente tenha ocorrido mais de 15 anos depois da Europa ''supostamente'' ter sido desnazificada. Esta citação pode ser encontrada na enciclopédia paranormal "MYSTERIES OF THE MIND, TIME & SPACE", pag. 1379.

Durante a conversa lhe foi mostrado um mapa estelar do que lhe foi dito serem as estradas para o comercio e os caminhos de exploração, entre certas estrelas em algum lugar no universo. Não foi um astrônomo, mas sim Marjorie Fish quem aceitou o enorme desafio de isolar o modelo estelar especifico, do desenho da Sr. Hill, dentre as centenas de bilhões em nossa galáxia. Marjorie Fish concluiu que o mapa de estrelas havia sido calcado na perspectiva da base da nave. Começando pela suposição de que o nosso sol apareceria no mapa – provavelmente com limite traçado – e que as estrelas básicas eram dois círculos grandes, com linhas que irradiavam deles, Marjorie Fish construiu com esmero, três modelos dimensionais, de dentro de aproximadamente sessenta anos luz do sol, numa tentativa de combinar o modelo estelar especifico ao desenho da Sra. Hill.Finalmente em 1969, nove estrelas apareceram num dispositivo angular muito bem definido para ser coincidência e, rapidamente foi capaz de identificar a maioria da estrelas. Mas só em 1972, depois de seis anos de trabalho intensivo, Marjorie Fish foi capaz de localizar o triangulo de estrelas do plano de fundo, que completava a identificação do desenho de Bethi Hill.
A razão foi que até o atualizado Catálogo das Estrelas Próximas, Gliese, estivesse disponível, no outono de 1969, as ultimas três estrelas (identificadas pelo Gliese com os números 86.1, 95 e 97) possivelmente não poderiam ter sido determinadas. Assim, em 1964, quando Betty fez seu desenho, a estrela 86.1, não estava registrada em nenhum catálogo de estrelas da Terra e as outras duas estrelas, embora catalogadas, apareciam em posições paralaxes incorretas. Como o Dr. Hynek me disse “nenhum astrônomo na Terra, entre 1961 e 1964, poderia ter sabido que o triangulo de estrelas do plano de fundo, existia na sua presente posição geométrica”. 
Do mapa completo de Marjorie Fish parece que apenas viajantes vindo em direção ao nosso sistema solar(Sol), da Constelação Reticulun, poderiam ter marcado a posição daquelas três estrelas. Se o chefe da tripulação tivesse realmente dito a Betty Hill que as linhas sólidas que conduziam para o que foi provado ser Zeta1 e 2 da Constelação Reticulun, diretamente para o Sol, fossem estradas de comércio, poderíamos muito bem ser parte de alguma forma de operação unilateral de comércio! A par de razoáveis considerações sobre o comércio, como poderíamos explicar a enorme distancia de mais envolvida? Uma viajem unilateral de Zeta 1, da constelação de Reticulun até White Mountains, em New Hamphshire, fica a uma distancia de mais de trinta anos luz. Isto é aproximadamente 176 340 000 000 000 milhas ou como Carl Sagan diria:
“extremamente longe”. Todavia, a distância não é um problema, se considerarmos as teorias de Einstein sobre a dilatação do tempo. Se aumentar a velocidade o tempo diminui. Assim, quanto mais perto você de aproximar da velocidade da luz, mais devagar seu relógio funcionará, comparado com os relógios deixados na Terra. No Artigo “Descoberta a Base Planetária do UFO”, Stanton Friedman e B.Ann Slate, escreveram: “O que isto implica é que a tripulação da Constelação de Reticulun não teria que vir mais rápido do que a velocidade da luz para visitar nosso sistema solar e retornar enfrentando a perspectiva de residência num asilo de velhos. Usando o elemento tempo mudança de Einstein, uma viagem unilateral a 80% da velocidade da luz, numa velocidade constante, levaria vinte e dois anos. A 99% daquela velocidade levaria cinco anos e dois meses, mas a 99.9% dessa velocidade, a viagem poderia ser feita em apenas vinte meses!”

CASO 42 – O CONTATO Nas primeiras horas da manhã do dia 3 de dezembro de 1967, o patrulheiro Herbert Shirmer, de Ashland, Nebraska, escreveu o seguinte relatório no livro de ocorrências “vi um objeto voador na conexão das rodovias 6 e 63. A comissão Condon descobriu e submeteu o policial a regressão no tempo através de hipnose com Loring G. Willians, um hipnotizador profissional, o patrulheiro Herbert Shirmer falou sob estado hipnótico que foi seqüestrado pelos tripulantes do objeto voador e os descreveu como tendo um metro e quarenta de altura e estavam usando uniformes cinzas colados ao corpo, botas e luvas. Do lado esquerdo do corpo têm um emblema: uma serpente com asas. Suas roupas vão até ao redor da cabeça como um capacete de piloto, a pele de seus rostos são brancos acinzentados, o nariz é achatado, a boca é apenas uma fenda, suas cabeças são finas e mais compridas do que uma cabeça humana, os olhos, levemente oblíquos, embora não fossem como o dos orientais, não piscavam e tinham pupilas dilatadas e apertadas como uma lente de câmera ajustando-se. Os tripulantes da falaram a ele que essa era uma nave de observação, eles se comunicavam através de aparelhos e disseram que estudam nossas línguas da Terra através de uma espécie de maquina, eles tem computadores que podem falar qualquer língua. De onde eles são? Deu uma galáxia próxima. Eles têm bases no planeta Vênus e em outros planetas de nossa galáxia. Eles têm bases na Terra para seus discos? Sim eles têm bases definitivas nos Estados Unidos. Há uma base localizada abaixo do oceano, na costa da Flórida, há uma base na região polar só não disse se era no pólo norte ou no pólo sul. Há outra base na costa da Argentina.
Essas bases são debaixo da terra ou debaixo dos oceanos. Como opera a nave deles? A nave é operada através de reversão eletromagnética. Existe alguma defesa contra UFOS? Eles me contaram que suas naves têm sido atingidas no ar através de radar que interfere em seus equipamentos. Os discos chegam aqui carregados pelas naves-mãe e são libertadas nas bases da terra. O chefe da tripulação mostrou a parte externa da nave onde dois tripulantes estão andando de um lado para o outro com uma postura militar, na tela apareciam três discos com formas diferentes voando em formação em oposição a um grupo de estrelas incluindo a constelação de Ursa Maior. Conta-se a Shirmer que essas são “naves de guerra” voando e um espaço externo. A imagem é de grande profundidade e realismo, a nave mãe é focalizada: têm o formato de um charuto, é muito comprida, esta muito longe da Terra. Eles sabem que estão sendo vistos com freqüência e estão tentando confundir a mente do público.
Ao relatar o Caso 42, o Relatório Condon emprega quase que as mesmas palavras usadas pelo Dr Hynek, depois de ter entrevistado Charlie Hickson em Pascagoula, depois do caso de Barney e Betty Hill, Shirmer é o melhor casodocumentado de sua espécie, o Dr Sprinkle enunciou a opinião de que o patrulheiro acreditava na realidade dos acontecimentos que descreveu, e disse que a mente de Shirmer era uma chave para o futuro. Esta matéria esta no livro Beyond Earth: Man’s Contact With UFOs. Copyright 1974 By Ralf Blun
CARL SAGAN "O MESTRE DOS DESPISTAMENTOS"
Hoje, não há nenhuma evidência clara, eu diria, que nos obrigasse a acreditar que exista vida em outro lugar, muito menos vida inteligente. Há uma tremenda quantidade de lugares. Há uma tremenda quantidade de tempo. E as partículas que compõe a vida estão espalhadas pelo universo. Há, também, uma espécie de tradição de Copérmico: quão extraordinário seria se estivéssemos vivendo no único planeta habitado... as possibilidades contra isso são imensas. O sol é uma, de talvez duzentos bilhões de estrelas, que compõe a Via Láctea... E nossa galáxia é uma entre bilhões de outras galáxias; então temos uma quantidade enorme de números. Para começar, ajudaria, se homens do nível de Carl Sagan não afirmassem numa transmissão de âmbito nacional, que todo o universo deve ser reprimido pelas limitações do nosso conhecimento cientifico. A implicação não expressa é: Porque ainda não podemos alcançar a constelação de Centauro, ninguém no universo é suficientemente adiantado para chegar aqui. Em 1968, durante uma audiência da Comissão de Ciência e Astronáutica do Congresso, Sagan Disse:
“Agora, uma coisa está clara: se existem outras civilizações técnicas, tomando-se ao acaso uma delas, é provável que esteja bem mais adiantada do que a nossa civilização técnica. Por exemplo. Não é provável que exista qualquer outra civilização, nas galáxias, que seja assim tão retrógrada no seu conhecimento técnico cientifico. A terra pode ter sido visitada várias vezes por diversas civilizações das galáxias durante a sua existência geológica. Não esta fora de questão que produtos dessas visitas ainda existam ou mesmo que alguma espécie de base seja mantida (possivelmente automática) dentro do sistema solar para dar continuidade a viagens sucessivas. Bem, se são inteligências, então sabem alguma coisa, a respeito do mundo físico, que não sabemos e, também, sabem alguma coisa sobre o mundo psíquico que não sabemos - e estão usando tudo isso”.
REFERÊNCIAS: 
TRECHO DO LIVRO Beyond Earth: Man’s Contact With UFOs. 
Copyright 1974 By Ralf Blun