quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Tags: ,

5 líderes que mudaram o mundo

Os líderes poderosos têm a capacidade de moldar a história, e um grupo pequeno teve mesmo a distinção de realmente alterar o mundo para sempre. 

Conheça aqui um conjunto de cinco líderes mundiais que foram verdadeiramente influentes e alteraram para sempre o curso da história e da humanidade.


Nelson Mandela (1918-2013)

Nelson Mandela foi um revolucionário anti-apartheid, que se converteu no primeiro presidente negro da África do Sul entre 1994 e 1999. Um ativista defensor dos direitos humanos, Mandela liderou a luta da África do Sul contra a segregação e o apartheid.

Em 1961, Mandela foi co-fundador do Umkhonto we Sizwe, uma ala militante do Congresso Nacional Africano, que se opôs ao sistema do governo Sul-Africano de segregação racial. Ele esteve 27 anos na prisão depois de ser condenado por sabotagem e conspiração para derrubar o governo.


Embora tivesse sido condenado a prisão perpétua, Mandela foi libertado em 1990, após uma campanha internacional que pressionou com sucesso a África do Sul, conduzindo à sua libertação. Ao longo de sua vida, Mandela recebeu mais de 250 prémios, incluindo o Prémio Nobel da Paz em 1993. Mandela morreu com a idade de 95 anos a 5 de dezembro de 2013.

Mahatma Gandhi (1869-1948)

Mohandas Karamchand Gandhi liderou a luta do nacionalismo indiano contra o domínio britânico na década de 1920. O seu uso célebre do protesto não-violento inspirou movimentos similares de apoio dos direitos e liberdades em todo o mundo. 

"Mahatma", que se traduz como "venerável" em sânscrito, era um título honorífico que lhe fora concedido em 1914 na África do Sul, sendo agora amplamente utilizado. Gandhi foi assassinado a 30 de janeiro de 1948, com a idade de 78. 

O seu aniversário, 2 de outubro, é comemorado como um feriado nacional na Índia, e é comemorado em todo o mundo como o Dia Internacional da Não-Violência.

Martin Luther King , Jr. (1929-1968)

Martin Luther King, Jr. foi um ativista e humanitário americano que se tornou o líder do Movimento dos Direitos Civis Africano-Americanos. Semelhante a Mahatma Gandhi, King tornou-se conhecido pelo avanço dos direitos civis através da desobediência civil não-violenta.

Como um ministro batista, King participou no Protesto do ônibus de Montgomery, em 1955, uma campanha política e social contra o sistema de transporte público racialmente segregado em Montgomery, onde King fez o seu icónico discurso "Eu tenho um sonho".

King foi assassinado a 4 de abril de 1968, em Memphis, Tennessee. Antes da sua morte, em 1964, King recebeu o Prémio Nobel da Paz. Ele também foi premiado com a Medalha Presidencial da Liberdade e com a Medalha de Ouro do Congresso postumamente. Em 1986, Martin Luther King, Jr. Day foi nomeado um feriado federal nos Estados Unidos.

Madre Teresa de Calcutá (1910-1997)

Madre Teresa era uma freira católica romana nascida na Albânia. Em 1950, ela fundou as Missionárias da Caridade em Calcutá, na Índia, uma congregação religiosa que está atualmente presente em mais de 130 países. No seu trabalho com as Missionárias da Caridade, Madre Teresa cuidava dos pobres, doentes, órfãos e moribundos.

As Missionárias da Caridade gradualmente expandiram-se para além da Índia, e em 2012, consistiam em mais de 4.500 irmãs que operam em 133 países. A congregação gere hospícios e lares para pessoas com HIV, hanseníase e tuberculose; cozinhas; crianças e programas de aconselhamento familiar; orfanatos e escolas.

Madre Teresa recebeu o Prémio Nobel da Paz em 1979. Ela morreu no dia 5 de setembro de 1997 com a idade de 87 anos. Em 2003, ela foi beatificada (feito santo) pelo Papa João Paulo II, e foi-lhe dado o título de Beata Teresa de Calcutá.

Abraham Lincoln (1809-1865)

Abraham Lincoln foi o 16º Presidente dos Estados Unidos, e conduziu o país através da tumultuada Guerra Civil Americana, que foi travada entre 1861 e 1865. A guerra, travada sobre a questão controversa da escravidão, começou depois de vários estados do Sul se separarem, formando os Estados Confederados da América.

O discurso de Gettysburg de Lincoln, em 19 de novembro de 1863, durante a Guerra Civil, é um dos discursos mais conhecidos da história americana. Nele, Lincoln ecoou os princípios da igualdade humana a partir da Declaração da Independência, e declarou que a Guerra Civil, e para a preservação da União, traria a verdadeira igualdade para todos os cidadãos do país.

Os esforços de Lincoln para abolir a escravidão culminaram com a Proclamação de Emancipação, que foi emitida a 1 de Janeiro de 1863. A medida levou o Senado a aprovar a Décima Terceira Emenda à Constituição dos Estados Unidos, que proibiu definitivamente a escravidão. Lincoln foi assassinado no Teatro Ford, em Washington, a 14 de abril de 1865, com a idade de 56 anos. [Livescience]