sábado, 14 de fevereiro de 2015

Tags:

Em 2023 o homem pisará em Marte: diz Bas Landsdorp

Em 2023 o homem pisará em Marte: diz Bas Landsdorp
Depois de o astronauta italiano Luca Parmitano ter passado por momentos aterrorizantes enquanto estava do lado de fora da Estação Espacial Internacional (em órbita terrestre desde 1998) e começou a “brotar” água dentro de seu capacete (no último 16 de julho), depois de o primeiro veículo espacial cruzar a barreira do sistema solar (sonda Voyager no último 12 de setembro), agora chegou a vez do da raça humana “apear” (descer ou subir) em Marte!

De acordo com o projeto Mars-One da empresa holandesa (de mesmo nome) sem fins lucrativos, fundada pelo engenheiro Bas Landsdorp, serão levadas no ano de 2023, 24 pessoas até o planeta Marte.
Irá levar e não irá trazer! Isso mesmo.
A ideia é deixá-los lá para colonizarem o novo mundo, assim como outros colonizadores fizeram aqui na Terra, porém mudando de continente e não de órbita.
MarsOne+homem+em+planeta+marte+2023
Para os que duvidam, saibam que já existem 202.586 pessoas inscritas (entre 140 países) pleiteando uma das 24 vagas (isso até final de agosto quando foi fechada a primeira prévia) e com certeza este número irá aumentar.
O Brasil aparece em  lugar em de número de inscritos, sendo mais de 10.000 brasileiros querendo ir para Marte!
A seleção será feita através de um Reality-Show entre os pré-selecionados onde os vencedores serão os escolhidos para a nova “colônia”.
Além de enfrentarem um frio de 63 graus negativos, os incautos terão de produzir o próprio oxigênio (extraindo-o do gelo), o próprio alimento (vegetais baseados em hidroponia) e também passarem o resto da vida praticamente enclausurados dentro das cápsulas de sobrevivência, pois não poderão voltar à terra.
MarsOne+homem+em+marte+2023
As altas taxas de radiação cósmica será outro desafio aos “navegadores” pois serão absorvidas pelos tripulantes durante a viagem estimada em 7 meses de duração.
E caso cheguem lá (tomara que cheguem), sofrerão mutações no corpo como redução do tamanho dos músculos, enfraquecimento dos ossos, queda na pressão arterial e diminuição também do coração o que enfraquecerá o tônus das grandes artérias. As mulheres no entanto não poderão engravidar (seria o nascimento dos primeiros marcianos que se tem notícia, rs) pois não se tem ideia de como seria esta gestação e qual o resultado.
Hoje não existe tecnologia capaz de executar o projeto. A ideia de Bas é desenvolvê-la até 2022 e executar o audacioso plano.
Em um local mórbido e gelado onde a atmosfera é rica em dióxido de carbono (fatal para o humano) e fica 227,9 milhões de quilômetros do “hospital mais próximo” o risco de vida é iminente além de constante.
O custo da façanha estimado em 6 bilhões de dólares, com certeza irá dobrar ou triplicar com o “andar” da carruagem.
MarsOne+homem+em+marte+2023+casa
Então nos cabe a pergunta, sem querer tomar partido desta ou daquela opinião, se este dinheiro (que poderá chegar fácil a 18 bilhões) não seria melhor empregado em programas inteligentes de sustentabilidade para o próprio planeta que tanto sofreu e sofre com depredações de toda sorte deste muito tempo?
Ou será que a única saída é procurar mesmo outro planeta porque a querida Terrinha já está condenada?
Como visionário acho fascinante projetos desta magnitude (talvez seria até candidato), mas por ora vou me ater a refletir e conhecer mais sobre o assunto, que no mínimo é muito interessante.
No vídeo o trailer (em inglês) do filme instrucional sobre Mars-One.