quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

Tags: , ,

Mitologia : A figura bíblica de Noé pode não ter sido a única a protagonizar o diluvio


A figura bíblica de Noé pode não ter sido a única a balançar sobre as ondas ao longo de um dilúvio universal destruidor. Contos de grandes inundações na aurora da história humana são contadas por tibetanos, americanos nativos e outras culturas.


Durante a Idade do Gelo, camadas de gelo avançando e recuando alteraram o nível do mar e lagos foram criados atrás de barragens de gelo ou escombros. Eventualmente, o gelo derreteu ou os lagos por trás das barragens transbordaram. Noutros locais, o mar foi contido por diques naturais que acabaram por ruir.

Quando essas barreiras naturais cederam, milhões de litros de água correram em toda a terra, varrendo toda a vida, incluindo os seres humanos. A memória cultural desses cataclismos podem ter formado a semente a partir da qual a mitologia cresceu.

No Tibete, o missionário budista Padmasambhava, conhecido pelos tibetanos como Guru Rinpoche, disse ter pacificado os demónios antigos do Tibete. Um desses demónios vivia num lago criado pelo Rio Tsangpo. Depois do Guru Rinpoche ter derrotado o demónio, o lago drenou e deixou terras férteis. Durante uma expedição em 2002, Montgomery encontrou evidências de que o desfiladeiro formado pelo Tsangpo tinha sido preenchido por um lago inúmeras vezes. 

Mais recentemente, entre 1100 e 1400 anos atrás, aproximadamente o tempo da visita do Guru Rinpoche, uma barragem de lama e gelo havia criado um lago de 780 metros de profundidade. Quando a represa cedeu, os 50 km cúbicos de água escorreram montanha abaixo. O antigo lago tornou-se uma planície fértil que agora serve como celeiro do Tibete.

Nos Estados Unidos, um lago profundo formado inúmeras vezes atrás de gelo, transformou os vales das montanhas do leste de Washington em dois grandes lagos. Entre 15.000 e 13.000 anos atrás, os lagos romperam as suas barreiras pelo menos 25 vezes. As torrentes esculpiram a terra em "canions" incomuns e moveram centenas de pedregulhos do tamanho de uma casa por quilómetros. As tribos Yakima e Spokane contaram aos primeiros missionários das enchentes. Os povos indígenas foram capazes de apontar os pontos altos onde os seus antepassados ​​se refugiaram.

No Golfo Pérsico, outros pesquisadores encontraram evidências de inundações enormes no lugar certo para inspirar a história bíblica de Noé e o dilúvio. As águas do Golfo Pérsico podem cobrir um dos maiores e mais antigos pontos de apoio da humanidade fora de África, de acordo com o arqueólogo Jeffrey Rose na Current Anthropology. Era um oásis verdejante do tamanho da Grã-Bretanha à cerca de 74.000 anos atrás e até 8.000 anos atrás. Em seguida, a elevação do mar pode ter estourado através de barreiras naturais e inundou a região.