segunda-feira, 2 de março de 2015

Tags: , ,

Acha que “pensa demais”? Há muita gente a pensar assim!

Se é dos que anda dias a fio com um pensamento que o inquieta, talvez faça parte do clube dos que “pensam demais”. Vamos refletir um pouco sobre isso?


É bem provável que se reveja nesta frase simples: a vertigem dos dias enche-nos a cabeça com ideias teimosas. E não são precisos especialistas para compreender as implicações que isto pode ter para a vida pessoal e social de cada um. Ideias, preocupações ou pensamentos repetitivos, qualquer argumento serve para nos tirar o sono.
Megan Mann, colaboradora do Elite Daily, refletiu sobre o assunto e partilhou, na primeira pessoa, o prejuízo de “pensar demais”. Estas considerações são sempre subjetivas mas são também uma boa base para refletir sobre o modo como muitos de nós lidam com problemas que, em bom rigor, toda a gente tem. A diferença está, como quase sempre, no modo como lidamos com o que nos passa pela cabeça.
Os problemas que não existem
É relativamente fácil julgar que a vida nos reservou os maiores problemas. Há quem não se leve a si e à vida a sério, mas nem tanto ao mar nem tanto à terra. Os “ses” facilmente ganham um peso desfasado da real importância das coisas. Isto porque é fácil cair na tentação de pensar pela cabeça dos outros. Um problema que pode deixar de o ser. Como? Megan Mann responde com mais uma pergunta.
Falar ou não falar?
Falar, quase sempre. Assumir como certo o pensamento do outro pode tornar-se num erro fatal para as relações interpessoais, a todos os níveis. É certo que cada um de nós tem a sua versão da verdade que determina as nossas decisões (ou preocupações), mas quantas vezes somos surpreendidos por aquilo que o outro pensa ou sente, de tão diferente do que imaginávamos? Uma conversa esclarecedora pode representar para si um ato de coragem, mas provavelmente será surpreendido por um desfecho contrário à sua teimosia.
Ou simplesmente, oiça a sua própria voz enquanto desabafa as suas inquietações. Concretizar os pensamentos em sons pode ajudar a colocar os problemas em perspetiva.

Leia também:  

'A esperança é a última que morre' – mas o que isso realmente diz?

Quando os pensamentos provocam insónias
É durante o sono que damos tempo ao cérebro para se reorganizar. Levar os problemas para a almofada é meio caminho andado para garantir uma noite em claro. E talvez o pior seja manter-se às voltas na cama ao ponto de se irritar com o facto de ver as horas passar sem que o sono chegue. Acenda a luz e leia umas quantas páginas de um livro, tente preencher o pensamento com outras imagens. Os problemas não vão desaparecer, mas talvez os consiga arrumar na gaveta do dia seguinte.
As consequências de uma cabeça às voltas
É comum assumir que os problemas são só nossos. É um erro. São raros os que conseguem a proeza de impedir que o que sentimos tenha reflexo direto ou indireto na relação com os outros, seja em casa, na esfera de amizades ou no trabalho. As nossas preocupações refletem-se no outro de uma forma inconsciente, facilmente abalam as relações. E se o lastro da amizade e do amor não for suficientemente forte, facilmente entramos numa espiral negativa de onde pode ser difícil sair.
Mas o que fazer com uma cabeça que não para? Há alternativas? Muitos especialistas sugerem a meditação, alterações positivas dos hábitos de vida, nomeadamente o exercício físico e a alimentação saudável. Mas não é preciso complicar. Todas as pessoas têm mecanismos de escape, seja uma ação, uma pessoa ou um lugar. Concentre-se em descobrir qual é o seu, é tempo bem perdido. E desabafe com um amigo, brinque com os seus filhos, leia um livro, oiça um disco que o anime. Por falar nisso, dançou este fim de semana?