sexta-feira, 15 de maio de 2015

Tags: , ,

Lavagem cerebral: Estudo mostra que é possível convencer um inocente de um crime que ele nunca cometeu

Uma nova pesquisa mostrou que, em apenas algumas horas, as pessoas inocentes podem ser convencidas de ter cometido um crime.

Alguns desses crimes podem ser tão graves quanto assalto com uma arma - mesmo que o crime tenha sido completamente inventado.

Pessoas inocentes podem ser interrogadas pela polícia de tal forma que acabam a convencer-se de que cometeram um crime. E essa crença pode ser tão forte que pode levar a uma falsa confissão.




No início do ano passado, uma equipe de advogados e estatísticos publicou um artigo afirmando que 4,1 por cento dos réus condenados à morte nos EUA são falsamente condenados. Para investigar esse fenômeno, um estudo conduzido por Julia Shaw, psicóloga da Universidade de Bedfordshire, no Reino Unido investigou a possível causa.

Ela descobriu que, se as pessoas forem questionada no caminho certo, mesmo as pessoas inocentes podem fabricar histórias nas suas mentes, com tantos detalhes que podem falsamente convencer-se de que cometeram um crime.

"Os nossos resultados mostram que as falsas memórias de cometer um crime podem ser surpreendentemente fáceis de gerar, e podem ter os mesmos tipos de dados complexos das memórias reais", disse Shaw em comunicado de imprensa.

Shaw e o seu colega Stephen Porter, psicólogo forense da Universidade de British Columbia, no Canadá, recrutaram 60 estudantes universitários que não tinham estado envolvidos em quaisquer crimes.

Em seguida, pediram aos seus cuidadores primários para preencher um questionário relativo a eventos específicos que esses alunos possam ter experimentado entre as idades de 11 e 14 anos. Estas questões foram mantidas em segredo para os alunos.

Em seguida, os alunos foram levados para o laboratório onde foram submetidos a três entrevistas de 40 minutos que se estenderam ao longo de um período de três semanas. Durante a primeira entrevista, os pesquisadores descreveram brevemente dois eventos a cada um dos alunos, que os estudantes tinham experimentado na sua adolescência (cujos detalhes foram fornecidos por seu cuidador), e um que era falso, e que nunca aconteceu.

Metade desses falsos eventos envolveram um crime que chamou a atenção da polícia, como um assalto, um assalto com uma arma, ou um roubo. Os outros 50 por cento incluíram um ataque falso de um cão ou algum outro tipo de lesão, ou a perda de uma grande soma de dinheiro.

Esses eventos nunca realmente aconteceram, mas os pesquisadores salpicaram as suas descrições com bastantes detalhes verdadeiros do tempo de adolescência do aluno - como o nome de um amigo naquele momento de sua vida - para que as histórias soassem convincentes.

Os alunos foram convidados a explicar o que aconteceu com eles durante cada um desses eventos. Naturalmente, eles lutaram para se lembrar dos detalhes do falso evento, mas foram encorajados a continuar a tentar, sendo que os pesquisadores sugeriram várias estratégias de memória para ajudá-los a se lembrarem.

Durante as segunda e terceira entrevistas, nas semanas seguintes, os estudantes foram novamente convidados a recordar o que aconteceu durante os eventos verdadeiros e falsos. Como eles estavam descrevendo certas características das suas memórias, eles foram convidados a indicar quão vivas essas memórias eram, e como eles estavam confiantes de que seriam a verdade.

Na publicação dos seus resultados na revista Psychological Science, Shaw e Porter constataram que dos 30 estudantes que foram informados que tinham cometido um crime na adolescência, 21 - ou 71% - acabou por desenvolver uma falsa memória do evento.

Dos 20 que foram informados de que cometeram algum tipo de agressão, seja com ou sem arma, 11 foram capazes de descrever com detalhes incríveis a sua interacção com a polícia sobre o assunto - um evento que nunca aconteceu.

Da mesma forma, 76,6 por cento dos 30 estudantes que foram alimentados com histórias falsas sobre a sua adolescência, mas que não eram de natureza crimal, acabaram formando memórias falsas sobre esses eventos também. Os pesquisadores dizem que estes resultados podem ter enormes implicações para o sistema de justiça, nomeadamente no que respeita aos testemunhos. [Sciencealert



Leia também: Morte da Conversa e interação social: 22 imagens de como os Smartphones estão acabando com nosso