quinta-feira, 18 de junho de 2015

Tags:

Será que você consegue resolver esse desafio em menos de 20 segundos?


Olhe para este estacionamento e descubra qual o número do lugar que está ocupado. Se demorar mais de vinte segundos, as crianças da escola primária já lhe passaram a perna. 



A pergunta não podia ser mais simples: qual é o número do lugar onde o carro está estacionado? E a resposta está, como de costume neste tipo de exercícios, nos lugares de estacionamento vazios.
Comecemos então por analisar os dados que temos ao nosso dispor:
  • 16, 06, 68, 88, o valor que não conhecemos e, no último lugar, onde está o número 98 gravado no chão.
Há que descobrir a sequência que determina o posicionamento daqueles lugares e recordar toda a matéria que o professor de Matemática nos transmitiu. Ou pelo menos tentou.

O exercício foi exposto num exame para crianças da escola primária em Hong Kong.
Se para si essas contas podem durar algum tempo, saiba que as crianças da primária em Hong Kong resolvem este exercício com uma perna às costas. Em vinte segundos conseguem chegar à resposta certa e avançar para um novo quebra-cabeças.
Serão estes miúdos uns prodígios planetários? Nada disso: são simplesmente… crianças e olham para as coisas de perspetivas diferentes e menos viciadas. Essa é a justificação que Business Insider dá para a capacidade instantânea dos mais novos.

Ora, vire a imagem ao contrário e veja o que encontra. Isso mesmo, a sequência mais simples do mundo: a seguir ao 86, o lugar ocupado só pode ser o número 87, porque logo a seguir os números surgem na ordem natural (88, 89, 90 e 91).
ao contrario
A mesma imagem virada ao contrário deixa transparecer a resposta certa.
O quebra-cabeças não é novo, acrescenta o The Guardian. Foi criado por David Bodycombe há vinte anos, curiosamente enquanto passeava em Portugal e olhou para um parque de estacionamento nacional. Colocou o exercício num livro de QI lançado pela Marks & Spencer em 2002.
Resolvido este mistério, a Internet já espera por um novo desafio.

Leia também: O que estes arqueólogos encontraram em todo o mundo é muito bizarro. E sim, é real.