quinta-feira, 16 de julho de 2015

Tags: , ,

Jovem conta como é estar em coma: ‘Eu ficava sentada olhando paisagens bonitas’


Claire Wineland, de 18 anos, imaginou durante duas semanas que estava no Alasca olhando para uma paisagem bonita com animais e cavernas. Nesse período, na verdade, a jovem estava em coma induzido num hospital da Califórnia, mas sua mente estava em outro lugar. Ela decidiu contar a experiência num projeto sem fins lucrativos, e seu depoimento em vídeo já teve mais de 500 mil visualizações.

Segundo a rede de TV “ABC”, Claire ouvia ruídos e pessoas ao seu redor. “Lembro-me de estar sentada e olhando para a paisagem mais bonita de sempre por horas e horas... Era frio, mas eu não me importava. Parecia que eu estava embalada em gelo durante todo o tempo”, disse a jovem no vídeo.
Claire contou a experiência em vídeo

Ela precisou ficar em coma após uma cirurgia de rotina porque ela tem fibrose cística e contraiu uma infecção. “Tudo o que acontece no mundo real você ouve e está ciente. Você meio que sabe o que está acontecendo, mas isso passa por um filtro estranho e se transforma em outra coisa quando atinge a sua consciência”, disse no depoimento em vídeo.

A jovem contou à “ABC” que teve problemas ao “acordar” do coma. “Eu não me lembrava o que era real e o que não era real. Toda vez que eu falo sobre isso lembro de outra coisa. Há um mundo oculto. Ninguém realmente fala sobre isso, e a vida de uma pessoa doente é incrivelmente fascinante”, disse.

Neurologista entrevistado pela “ABC”, Michael DeGeorgia contou que pacientes podem enfrentar processos pós-traumáticos ou traumas se são deixados em estado de "sonho" durante a sedação. Segundo ele, o coma induzido é diferente de um coma causado por uma lesão cerebral .

Claire pensou que estava no Alasca quando bolsas de gelo foram aplicadas em seus pés para diminuir a febre, e quando precisou drenar fluídos o corpo achou que ela estava num balão. Segundo o neurologista, os médicos têm usado menos sedativos porque os pacientes podem ter experiências traumáticas. “Sabemos agora que, em diferentes graus que os pacientes podem estar cientes do que você está fazendo”, explicou.
Claire disse, no vídeo, que ter ficado em coma a ensinou muito. "Primeiro eu aprendi que amo o Alasca. A experiência me mostrou quem eu amo de verdade e como as nossas mentes podem ser manipuladas", disse a jovem, acrescentando que falar sobre isso a deixa feliz.

Leia também: Estudo científico encontra primeira prova de que existe vida depois da morte