quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Tags: , , ,

As máquinas voadoras dos antigos Deuses estão a voar sobre nossos céus atualmente?

Ao estudar as antigas civilizações, vimos numerosas representações antigas de objetos voadores misteriosos pertencentes aos ''deuses'', mas o que de fato são eles? Os "Deuses" realmente precisam "objetos" para ajudá-los "voar"? O que significa então essas representações na realidade?


Os índios Hopi do Arizona falavam dos espíritos Kachina, e sua capacidade incrivel de "voar" através dos céus em seus chamados "escudos voadores" que os antigos chamam paatuwvota. De acordo com os nativos, estes objetos voadores eram únicos em forma circular, como o escudo de um guerreiro, e emitia "um som estrondoso''.

Índio americano, Martin Gashweseoma de Hotevilla ao lado de petrogrifo, descrevendo possivelmente um "escudo voando."




Em uma das muitas representações encontradas ao longo das terras hopi, há um desenho curioso em que os Hopis retrataram um personagem sentado em um daqueles "escudos voadores".

O que de fato são essas "máquinas voadoras" e o que eles realmente representam? Os "escudos voadores" são realmente necessários para os Deuses se locomoverem? Ou essas representações são meras manifestações psicológicas Hopi ou criações do inconsciente coletivo? (Como alguns sugerem)

Mas se estas imagens são apenas manifestações psicológicas dos Hopis, por que existem representações semelhantes em outras culturas antigas em todo o mundo?

Estes "escudos voadores" únicos foram mencionados por Lao Chi-Pen, um arqueólogo da Universidade de Pequim, referindo-se a misteriosas pinturas rupestres descobertas por ele na China em 1961. De fato, entre muitos desenhos encontrados na província de Hunan, uma em particular representa uma cena rara mostrando animais de caça fugindo em uma direção perseguido por homens armados com lanças, acima no céu existem dois personagens estranhos que parecem ter algum tipo de halos em suas cabeças e portando armas desconhecidas, voando no céu e sentados em pequenos objetos circulares, como os "escudos voadores" do Kachina. Será esta uma mera coincidência?

Réplica da pintura misteriosa encontrada na China retratando seres em "discos voadores"
Os objetos mencionados pelo Hopi e as pinturas encontradas na China não é o único. Julius Obsequens escreve, por volta de 100 a.C:
"Ardens Fax Tarquiniis tarde vistos Cadens subito lapsu. Sub occasu solis orbis clipei similis ab occidente ad orientem visus perferri. "

"Quando C. Murius e L. Valério eram cônsules, em Tarquinia em direção do sol, um objeto redondo, como um globo, ou escudo circular, tomou o seu caminho no céu de leste a oeste."

Em 91 a.C, ele relata:

"No Aenariae, enquanto Livius Troso foi promulgar as leis no início da guerra italiana, ao nascer do sol, veio um barulho terrível no céu, e um globo de fogo ardente apareceu no norte. No território de Spoletum, um globo de fogo, de cor dourada, caiu em terra. Em seguida, ele parecia aumentar de tamanho, levantou-se da terra e subiu para o céu, onde se obscureceu o sol com seu brilho. Ele girou em direção ao quadrante oriental do céu ".

Finalmente, Obsequens forneceu outro exemplo desse fenômeno para o ano 42 a.C, afirmando simplesmente que:

"Algo como uma espécie de arma, ou míssil, levantou-se com um grande barulho da terra e subiu para o céu."

Temos representações semelhantes de "seres" que sentam-se em algum tipo de objetos que parecem ser feitos para "voar"? Uma estátua encontrada em Veracruz, México, atualmente em exposição no Museu DeYoung, em San Francisco retrata uma misteriosa criatura que parece sentar em cima de uma espécie de "escudo".

Seria esta figura outra coincidência?

Será que esses misteriosos objetos que voam pelos céus do nosso planeta, visto por pessoas nos Estados Unidos, América do Sul e Central, China e Europa são um delírio coletivo? 

Leia também: Antigo papiro Egípcio revela visita incrível de extraterrestres no passado



Fonte e referência:

Mistérios, Lendas e fenômenos inexplicados) Paperback

Giulio Ossequente, Il Libro dei Prodigi, ed. Solas Boncompagni (Roma: Edizioni Mediterranee, 1992)

O HOPI HI-SUT-SI-NOM (Os Antigos)