segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Tags: , , ,

Os Protocolos dos Sábios de Sião: Uma farsa ou realidade?

Os editores têm apresentado os “Protocolos” como documentos reais, que alegadamente seriam discursos escritos pelos participantes do Congresso Sionista realizado em Basileia, na Suíça, em 1897. As discussões à volta desse embuste continuam até aos dias de hoje.





Os “Protocolos” foram publicados oficialmente pela primeira vez na Rússia em 1903 e em 1905. Os editores afirmavam que era uma tradução de um documento recebido de França.
Ambas as edições contêm 24 “protocolos” de reuniões clandestinas, alegadamente reais, de representantes judaicos que teriam discutido a estratégia para a tomada do poder mundial. Segundo o texto, no final a dominação mundial deverá ficar nas mãos de um “rei de Israel”, descendente de David, nomeado por três “sábios”. O rei iria governar a humanidade de forma autocrática e em caso de morte, ou de doença grave, os “sábios” transfeririam o poder ao seu eleito subsequente.

Os dez primeiros “protocolos” descrevem o programa de destruição dos Estados cristãos. Segundo os planos dos conspiradores, os métodos mais eficazes para desmoronar a sociedade são: a propaganda das liberdades democráticas e dos direitos humanos, o suborno da imprensa, a imposição do culto do dinheiro, a instalação de monopólios, com a instigação de guerras econômicas, e o estímulo das atividades secretas da maçonaria.

Os conspiradores apelam à aceleração da corrida armamentista, ao favorecimento do crescimento dos exércitos e das polícias, à provocação guerras entre os países dos “góis” (gentios), à propaganda da anarquia, da permissividade e da depravação. A principal arma de destruição é a maçonaria, que nem desconfiam estarem na realidade predestinados a servir o estabelecimento de um “supergoverno” judaico.

Os 14 protocolos seguintes descrevem a transição para uma autocracia mundial e a nova organização do Estado. O texto termina com “notas” do tradutor, que explicam terem sido os “Protocolos dos Sábios de Sião” assinados por “representantes sionistas” anônimos e retirados em segredo do livro de protocolos que está arquivado no depósito da “Chancelaria Central de Sião” em França.
Logo no início se suspeitou que se tratava de uma fraude. Mas o texto dos protocolos obteve uma popularidade inesperada. O que havia nele que cativou os leitores?

Em primeiro lugar impressiona seu mistério sinistro. Já na Idade Média o fantasma de uma conspiração judaica perturbava a imaginação dos cristãos, ele estava associado à calúnia sobre o envenenamento pelos judeus dos poços por ordem dos anciãos de Istambul e de Jerusalém. Eram espalhados boatos sobre reuniões secretas dos rabinos para preparar assassinatos rituais.

Em Espanha e em Portugal, e mais tarde noutros países da Europa, as acusações foram gradualmente passando da religião para a política; nessa altura surgiu pela primeira vez a necessidade de criar falsificações que justificassem as perseguições aos judeus. Assim, na falsa correspondência de 1489 entre os rabinos de Istambul com os judeus espanhóis (Paris, 1583), os rabinos aconselhavam os seus correligionários espanhóis a ensinar aos filhos as profissões de comerciantes, médicos, farmacêuticos, sacerdotes, advogados, para prejudicar os cristãos e gradualmente subjugá-los.

Mas, se os Protocolos são uma farsa... Como explicar isso então?

Os Protocolos: descrevem a actualidade, o que acontece hoje, com assinalável exactidão.

Protocolo II: 

Transportada, assim, a guerra para o terreno econômico, as nações verão a força de nossa supremacia, e tal situação porá ambas as partes à disposição de nossos agentes internacionais, que têm milhares de olhos e que nenhuma fronteira pode deter.

Então, nossos direitos internacionais apagarão os direitos nacionais, no sentido próprio da expressão, governando os povos, do mesmo modo que o direito civil dos Estados regula as relações entre seus súditos.

Protocolo III:

Transformamos os Estados em arenas onde reinam os distúrbios... Dentro de pouco tempo, as desordens e bancarrotas surgirão por toda a parte. Os falastrões inesgotáveis transformaram as sessões dos parlamentos e as reuniões administrativas em prélios oratórios.[...]

Os povos estão mais escravizados ao trabalho pesado do que no tempo da servidão e da escravidão. É possível livrar-se de um modo ou de outro da escravidão e da servidão. É possível compactuar com ambas. Mas é impossível livrar-se da miséria. Os direitos que inscrevemos nas constituições são fictícios para as massas ; não são reais.

Todos esses pretensos ""direitos do povo" somente podem existir no espírito e são para sempre irrealizáveis. Que vale para o proletário curvado sobre seu trabalho, esmagado pela sua triste sorte, o direito dado aos falastrões de falar, ou o direito concedido aos jornalistas de escrever toda espécie de absurdos misturados com cousas sérias, desde que o proletariado não tira das constituições outras vantagens senão as miseráveis migalhas que lhe lançamos de nossa mesa em troca dum sufrágio favorável às nossas prescrições, aos nossos prepostos e aos nossos agentes?

Para o pobre diabo, os direitos republicanos são uma ironia amarga: a necessidade dum trabalho quase cotidiano não lhe permite gozá-los ; em compensação, tiram-lhe a garantia dum ganho constante e certo, pondo-o na dependência das greves, dos patrões e dos camaradas.

Sob a nossa direção, o povo destruiu a aristocracia, que era sua protetora e sua ama de leite natural, porque seu interesse era inseparável do interesse do povo. Agora que a aristocracia foi destruída, ele caiu sob o jugo dos açambarcadores, dos velhacos enriquecidos, que o oprimem de modo impiedoso.[...]

Essa inimizade aumentará ainda em virtude da crise econômica que acabará por parar as operações da Bolsa e a marcha da indústria.

Quando criarmos, graças aos meios ocultos de que dispomos por causa do ouro, que se acha totalmente em nossas mãos, uma crise econômica geral, lançaremos à rua multidões de operários, simultaneamente, em todos os países da Europa.

Essas multidões por-se-ão com voluptuosidade a derramar o sangue daqueles que invejam desde a infância na simplicidade de sua ignorância e cujos bens poderão então saquear.  

Protocolo IV:

Para que os espíritos dos cristãos não tenham tempo de raciocinar e observar, é necessário distraí-los pela indústria e pelo comércio. Desse modo, todas as nações procurarão suas vantagens e, lutando cada uma pelos seus interesses, não notarão o inimigo comum.

Mas para que a liberdade possa, assim, desagregar e destruir completamente a sociedade dos cristãos, é preciso fazer da especulação a base da indústria. Desta forma, nenhuma das riquezas que a indústria tirar da terra ficará nas mãos dos industriais, mas serão sorvidas pela especulação, isto é, cairão nas nossas burras.

A luta ardente pela supremacia, os choques da vida econômica criarão e já criaram sociedades desencantadas, frias e sem coração.Essas sociedades terão uma profunda repugnância pela política superior e pela religião. Seu único guia será o cálculo, isto é, o ouro, pelo qual terão verdadeiro culto, por causa dos bens materiais que pode proporcionar.

Então, as classes baixas dos cristãos nos seguirão em nossa luta contra a classe inteligente dos cristãos no poder, nossos concorrentes, não para fazer o bem, nem mesmo para adquirir a riqueza, mas simplesmente por ódio dos privilegiados.
Protocolo V:

Todas as engrenagens do mecanismo governamental dependem dum motor que está em nossas mãos: esse motor é o ouro. A ciência da economia política, inventada por nossos sábios, mostra-nos desde muito tempo o prestígio real do ouro.

O capital, para ter liberdade de ação, deve obter o monopólio da indústria e do comércio; é o que já vai realizando a nossa mão invisível em todas as partes do mundo. Essa liberdade dará força política aos industriais e o povo lhe será submetido. Importa mais, em nossos dias, desarmar os povos do que levá-los à guerra ; importa mais servir as paixões incandescidas para nosso proveito do que acalmá-las ; importa mais apoderar-se das idéias de outrem e comentá-las do que baní-las.

O problema capital do nosso governo é enfraquecer o espírito público pela crítica ; fazer-lhe perder o hábito de pensar, porque a reflexão cria a oposição ; distrair as forças do espírito, em vãs escaramuças de eloqüência.[...]

Para tomar conta da opinião pública, é preciso torná-la perplexa, exprimindo de diversos lados e tanto tempo tantas opiniões contraditórias que os cristãos acabarão perdidos no seu labirinto e convencidos de que, em política, o melhor é não ter opinião. São questões que a sociedade não deve conhecer. Só deve conhecê-las quem a dirige. Eis o primeiro segredo.

O segundo, necessário para governar com êxito, consiste em multiplicar de tal modo os defeitos do povo, os hábitos, as paixões, as regras de viver em comum que ninguém possa deslindar esse caos e que os homens acabem por não se entenderem mais aos outros.
Essa tática terá ainda como efeito lançar a discórdia em todos os partidos, desunindo todas as forças coletivas que ainda não queiram submeter-se a nós; ela desanimará qualquer iniciativa, mesmo genial, e será mais poderosa do que os milhões de homens nos quais semeamos divergências. Precisamos dirigir a educação das sociedades cristãs de modo tal que suas mãos se abatam numa impotência desesperada diante de cada questão que exija iniciativa.

O esforço que se exerce sob o regime da liberdade ilimitada é impotente, porque vai de encontro aos esforços livres de outros. Daí nascem dolorosos conflitos morais, decepções e insucessos. Fatigaremos tanto os cristãos com essa liberdade que os obrigaremos a nos oferecerem um poder internacional, cuja disposição será tal que poderá, sem as quebrar, englobar as forças de todos os Estados do mundo e formar o Governo Supremo.

Em lugar dos governos atuais, poremos um espantalho que se denominará Administração do Governo Supremo. Suas mãos se estenderão para todos os lados como pinças e sua organização será tão colossal que todos os povos terão de se lhe submeterem
Protocolo VI:

Criaremos em breve enormes monopólios, colossais reservatórios de riquezas, dos quais as próprias fortunas dos cristãos dependerão de tal modo que serão por eles devoradas, como o crédito dos Estados no dia seguinte a uma catástrofe política.

Os senhores economistas aqui presentes devem considerar a importância dessa combinação![...]

Ao mesmo tempo, devemos proteger fortemente o comércio e a indústria, sobretudo a especulação, cujo papel é servir de contrapeso à indústria; sem a especulação, a indústria multiplicaria os capitais privados e melhoraria a agricultura, libertando a terra das dívidas criadas pelos bancos rurais. É necessário que a indústria tire à terra o fruto do trabalho, como o do capital , que nos dê, pela especulação, o dinheiro de todo o mundo: lançados, assim, às fileiras dos proletários, todos os cristãos se inclinarão diante de nós para terem ao menos o direito de viver.

Para arruinar a indústria dos cristãos, desenvolveremos a especulação e o gosto do luxo, desse luxo que tudo devora. Faremos subir os salários, que, entretanto, não trarão proveito aos operários, porque faremos, ao mesmo tempo, o encarecimento dos gêneros de primeira necessidade, devido, como apregoaremos, à decadência da agricultura e da pecuária [...]

Protocolo VIII:

Rodearemos nosso governo por uma multidão de economistas. Eis porque as ciências econômicas são as mais importantes a serem ensinadas aos judeus. Rodear-nos-emos duma plêiade de banqueiros, industriais, capitalistas, e sobretudo milionários, porque, em suma, tudo será decidido pelas cifras.

Fontes: Informaçao Incorrecta e Br Sputiknews

Tudo se encaixa perfeitamente nos planos da nova ordem mundial... Seria apenas coincidência? 

Veja também: O Sinistro Projeto Blue Beam, a falsa vinda de Jesus Cristo como ápice para a Nova ordem mundial