quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Tags: , ,

''Grande Colisor de Hádrons poderá entrar em contato com universos paralelos brevemente'' Diz Cientista


O Grande Colisor de Hádrons (LHC) está por reiniciar sua pesquisa dos grandes segredos do universo em alguns dias. O experimento mais caro da história da física, com instalações no CERN, na Suíça, já provou sua valia ao encontrar o bóson de Higgs, a chamada "partícula de Deus" que serve como o fundamento da massa no universo. Nesta temporada os pesquisadores acham que talvez poderiam gerar micro-buracos negros, que poderiam ser uma porta para a descoberta de universos paralelos e possivelmente a uma nova teoria que refute o Big Bang como origem do universo.




Estas excitantes pesquisas têm a ver com o que se conhece como a teoria de gravidade arco íris (nada a ver com a novela de Thomas Pynchon, ainda que algumas das coisas pesquisadas pelo LHC parecem retiradas diretamente da ficção científica). Esta teoria sustenta que já que os diferentes comprimento de onda a luz têm diferentes energias, a gravidade as afeta de maneira diferente.

  - "Uma partícula com mais energia verá a curvatura do espaço-tempo de maneira diferente de uma partícula de menor energia. O que estamos vendo é como a gravidade atua de maneira diferente em partículas de diferente energia", disse o Dr. Mir Faizal.

Ao incrementar duas vezes a quantidade de energia de operação do LHC, é possível que sejam gerados micro-buracos negros, algo que não ocorreu nos últimos estudos. Ademais, segundo a teoria de gravidade arco íris, se existem outras dimensões duplicadas no tempo-espaço, é possível que a gravidade seja filtrada para outras dimensões mais altas, baixando o limite de energia necessária para produzir um buraco negro.

- "De modo que se operarmos a esse nível de energia poderemos saber se a gravidade arco íris é correta, e as extra-dimensões e os universos paralelos são corretos", explica Faizal.

Outra dos envolvimentos da teoria da gravidade arco íris é que o universo se remonta infinitamente no tempo, sem um só ponto de início ou Big Bang. Se alguém viajar no tempo para o passado, o universo se torna mais denso, se aproximando ao infinito da densidade, mas nunca chegando a ele. O efeito da gravidade arco íris é muito pequeno e difícil de medir em objetos como a Terra, mas não é assim em um buraco negro. 

Sobre a possibilidade de que os buracos negros sejam perigosos -algo que há alguns anos gerou especulação de que o acelerador de partículas podia destruir o universo-, o físico Damian Pope assinala que estes buracos são infinitesimais e inócuos.

- "Os buracos negros em realidade são incrivelmente instáveis e evanescentes, se evaporam em microssegundos. Inclusive se criarmos uma grande quantidade, um milhão de mini buracos negros, se evaporarão no instante, não seguirão crescendo". 

Rolf Heur, diretor do CERN e líder da equipe de físicos que busca revelar os segredos do universo e penetrar as realidades invisíveis, assinalou no mesmo comunicado de imprensa que nos aproximamos possivelmente de uma nova era para a física e que os experimentos poderão esclarecer também sobre a matéria escura e a super-simetria do universo. [Negócio Digital] Via | Telegraph.

Leia também: Cientistas renomados comprovam a Reencarnação através da Física Quântica