segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Tags:

A morte sobre nossas cabeças: Lâmpadas economicas são tóxicas para o cérebro, sistema nervoso, fígado, rins e coração


Por toda a UE ‘apagam-se as luzes’ da velhinha lâmpada incandescente. Desde 01 de setembro, até mesmo as lâmpadas de 40 e 25 watts desapareceram do mercado. A UE tem pressionado para a implementação de lâmpadas economizadoras. Principalmente, os modelos fluorescentes compactos LFC (lâmpadas fluorescentes compactas). Mas estas deixam muito a desejar.





Estas lâmpadas energeticamente eficientes fazem uma luz muito fraca, que não é brilhante, mas difusa. Isso significa que a reprodução de cores é terrível.

As LFC contêm um metal altamente perigoso: o mercúrio. Esta lâmpada representa um grave perigo em caso de quebra. O mercúrio evapora e aloja-se nos pulmões numa questão de segundos.

Os críticos advertem que elas emitem substâncias tóxicas mesmo quando em uso normal.

Se um instrumento tão simples como este consegue detetar venenos e contaminantes emitidos por essas lâmpadas, isso significa que se trata de um problema sério. Isso indica a presença de toxinas perigosas.

É universalmente aceite que as novas lâmpadas consomem menos energia elétrica e que duram mais tempo. Mas os críticos dizem que os consumidores e o meio ambiente vão pagar um elevado preço por esses benefícios.

Uma reportagem de Alexandra Pfell

No jardim-de-infância de Flagstaff, em Hamburgo, os monitores estão a usar um método lúdico para ensinar as crianças de 4 a 6 anos de idade a distinguir entre os dois tipos de luz. As velhas lâmpadas incandescentes e os novos modelos energeticamente eficientes.

... E este é o novo modelo. Claro que parece diferente das lâmpadas que vocês desenharam. Existe na versão em espiral e em formas tubulares. Vocês provavelmente já as viram nos candeeiros lá de casa, não foi?

A minha mãe não as compra, porque elas demoram sempre algum tempo a acender. E quando já estão acesas, já nós lavámos e secámos as mãos e estamos a sair da casa de banho.

Silke Stoltenberg quer ensinar as crianças sobre o que fazer no caso de se partir uma das novas lâmpadas. Então, se esta lâmpada energeticamente eficiente cair, vocês têm que abandonar de imediato o quarto. Vamos então fazer um exercício. Lembrem-se que lá dentro há veneno. Estamos apenas a praticar, mas se estas lâmpadas caírem e quebrarem, vocês têm de correr pela porta fora, ok? Vou fingir deixar cair e partir esta lâmpada e vocês agora têm que se apressar lá para fora. As recomendações oficiais da Agência Ambiental Federal são de evacuar durante 15 minutos, deixar as janelas abertas e desligar o aquecimento. Para descobrir se estas precauções são justificadas, contatámos um laboratório independente que analisa materiais ambientalmente perigosos, incluindo o mercúrio. E os investigadores tomaram todas as precauções para o nosso teste.

Aqui está uma máscara de proteção, basta puxá-la sobre a sua cabeça. O Diretor do Laboratório, Gary Zörner, diz que há apenas uma reação sensata quando uma lâmpada fluorescente se parte.

Fuja o mais rapidamente possível. O mercúrio pode entrar na corrente sanguínea através dos seus pulmões e daí para o seu cérebro. Ou através dos nervos olfativos diretamente para o sistema nervoso. É por isso que nós tomamos estas precauções de segurança.

As medidas incluem um exaustor, máscaras respiratórias e luvas. Assim que o vidro se parte, é libertada uma nuvem invisível de mercúrio a partir da lâmpada. Aqui podemos ver os componentes eletrónicos. Zörner é altamente crítico do uso de mercúrio neste tipo de produto.

Cada encontro com o mercúrio torna-nos um pouco mais estúpidos e reduz-nos o QI. É uma neurotoxina altamente perigosa que pode também afetar muitos outros órgãos e o sistema imunológico. Deveria haver uma política de tolerância zero para o mercúrio. Devemos fazer tudo o que pudermos para instituir uma proibição mundial contra a produção, exploração mineira e distribuição de mercúrio.

O especialista em medicina ambiental Joachim Mutter trabalhou durante anos com pacientes que sofrem de envenenamento por mercúrio. Ele é regularmente chamado para depor em processos judiciais civis. Recentemente, ele deparou-se com um jovem que sofreu graves ferimentos após se ter partido uma lâmpada de baixo consumo. O rapaz já estava doente na altura e os pais não tinham ideia de quão perigosa a nuvem de mercúrio era.

Eles não arejaram a divisão e os estilhaços foram deitados no lixo. O rapaz dormiu então no seu quarto. Na primeira semana, ele desenvolveu uma erupção cutânea. Às duas semanas começou a perder cabelo, ele desenvolveu uma grave diarreia e tremores visíveis. Ele apresentava aquilo que eu descreveria como tiques autistas. Ele apagou-se, perdeu o interesse em tudo e estava permanentemente cansado. Estava quase sempre a dormir e letárgico - nada como o que ele era antes.

Após uma extensa terapia, ele recuperou lentamente a sua saúde e vitalidade. É precisamente o tipo de acidente que os monitores do jardim-de-infância de Flagstaff estão a tentar evitar. Silke Stoltenberg usa uma lâmpada de demonstração para mostrar às crianças como livrar-se dela em segurança, de acordo com as diretrizes ambientais do Governo. Usem o cartão para reunir todos os pedaços e coloquem-nos aqui. As vossas mães e pais podem também fazer isto. Recolham os pedaços maiores com o cartão e usem a fita adesiva para recolher o resto. Pressionem-na bem para apanhar cada pedacinho. Não pensem em usar um aspirador e a vassoura não é aconselhável, porque isso apenas serviria para espalhar o mercúrio. Depois tirem as luvas e deitem-nas fora também. Pode haver material perigoso agarrado a elas. Fechem bem a tampa e mandem para a reciclagem.

Lâmpadas cheias de metais tóxicos não são o que a maioria das pessoas apelidaria de progresso. Visitámos uma designer de iluminação, em Hamburgo. Katja Winkelmann é engenheira e sabe uma coisa ou duas sobre este negócio.

O problema com este tipo de tecnologia é que ela simplesmente não funciona sem o mercúrio. Isto é verdade em todas as lâmpadas deste tipo. E isso inclui os modelos tubulares, as lâmpadas fluorescentes. Acontece o mesmo para as lâmpadas compactas CFL, as lâmpadas economizadoras. Nenhuma destas pode funcionar sem mercúrio. Ele está na base da tecnologia utilizada.

Diretrizes da UE permitem até cinco miligramas de mercúrio por lâmpada. Cerca do tamanho da cabeça de um alfinete. Além disso, a base está cheia de eletrónica complexa com até 30 peças individuais feitas de fósforo, silício ou alumínio.

Estas lâmpadas têm um casquilho eletrónico; Desmontámos esta para demonstrar. O mercúrio ainda está no interior, porque não partimos o vidro. Mas podemos ver claramente os complexos componentes eletrónicos envolvidos. E é claro, têm de ser eliminadas de uma forma ecológica. Sempre que as reciclarmos, deitamos também fora estes componentes eletrónicos. E isso é uma loucura. Porque em primeiro lugar, o mercúrio tem de ser tratado e gera-se um grande desperdício eletrónico.

A maior parte das LFC são produzidas na Ásia, particularmente na China. Existem relatos de envenenamento por mercúrio em funcionários de algumas destas fábricas chinesas. Nós contatámos os ativistas sindicais de lá. Sei que houve trabalhadores chineses envenenados com mercúrio durante o seu trabalho. Existe alguma maneira de descobrir o que lhes aconteceu?

Com grande risco pessoal, um sindicalista aceitou levar uma câmara oculta, numa tentativa de documentar as condições de trabalho na fábrica.
Estamos dispostos a assumir o risco; se pudermos provar que os rumores são verdadeiros, talvez possamos forçar uma mudança das condições de trabalho nessas instalações.

Gary Zörner começou um novo teste com seis modelos LFC, produzido por cinco fabricantes diferentes. Ele está a estudar se as lâmpadas economizadoras intactas também podem representar um risco para a saúde. Assim que as lâmpadas são acesas, recolhe-se o ar ambiente em torno delas e analisam-se as ligações químicas.

Trata-se de um extrato da amostra de ar que aspirámos do tubo. Agora usamos cromatografia gasosa/espectrometria de massa para descobrir que substâncias ele contém. Este método revela que existem diversas substâncias, todos compostos orgânicos voláteis. Até encontrámos vestígios mensuráveis da toxina fenol.

Qual é o problema do fenol?

O fenol é cancerígeno e é considerado um perigo para a saúde. Encontramos também furano tetraédrico que também pode provocar cancro. Existem outros também. Benzenos de álcool, que podem danificar o sistema nervoso e são tóxicos para o fígado, e assim por diante. O pior é que temos aqui um cocktail de substâncias relacionadas com riscos de saúde diversos. Essa é uma grande preocupação.

Mas a Agência Ambiental Alemã diz que a concentração de emissões não é suficientemente alta para se considerar um risco significativo à saúde. Consultámos Wolfgang Maes, uma reconhecida autoridade em biologia de edifícios e análises ambientais. Queremos descobrir exatamente como são emitidas as toxinas. Escapam a partir da base ou do vidro?

Testemos com este simples instrumento. É uma sonda de amostragem, muito pouco sensível e não muito precisa. Podemos ver se as emissões são provenientes dos riscos do casquilho, como eu suspeito, assim que a lâmpada atinge uma determinada temperatura. Ouça isto. Acontece o mesmo com a outra fenda. Veja como se comporta ao longo do vidro.

Se uma toxina como o fenol consegue escapar dessa lâmpada, ela não pode ser mais bem verdade? Deve ser possível, para o fabricante.
Você tem que perguntar isso aos fabricantes. É uma necessidade, não importa quão alto é o custo. Estamos a falar de venenos que não devem poder libertar-se. Se um instrumento tão simples pode detetar venenos e contaminantes emitidos por uma LFC, então temos realmente um problema. E refiro-me a emissões biológicas perigosas.

Pedimos aos fabricantes para comentar. Um deles respondeu.
Enquanto fabricante de marcas de alta qualidade, a Osram cumpre com todas as normas e orientações de fabrico. Além disso, efetuamos inspeções internas e externas, regularmente.
Fonte: Osram.

Maes também mediu a quantidade de nuvem de eletrões produzida pela LFC. Desliguemos agora a lâmpada economizadora e vamos substituí-la por uma lâmpada de filamento. Repare na intensidade de campo no visor. Você pode ver por si mesma que a lâmpada tradicional obtém melhores resultados. É uma escolha muito mais saudável do que os modelos economizadores. Em particular, esta lâmpada produz um campo de força de 42 volts por metro. O limite para um posto de trabalho de computador é de apenas um volt por metro. Isso significa que esta lâmpada é 42 vezes mais intensa do que um computador pessoal pode ser. Encontramos no mercado LFC’s, que produzem mais de 70 volts por metro. Setenta vezes mais que um computador.

Que tipo de problemas de saúde podem surgir se eu me sentar muito próxima de uma lâmpada economizadora, por exemplo, numa secretária?
Do ponto de vista biológico, existe uma exposição perigosa da cabeça, corpo e de todo o ambiente de trabalho. Isso pode conduzir a problemas neurológicos, hormonais e a danos celulares. Todas estas coisas podem ser acionadas por elevadas intensidades de campo eletromagnético.

Aqui, numa típica área residencial alemã, quisemos descobrir como é que os consumidores estão a reagir às lâmpadas economizadoras. A primeira família tem apenas algumas LFC, usando em pontos de pouca visibilidade. Usamos lâmpadas normais aqui na sala de estar. As LFC são tão feias, que descaracterizam o nosso candeeiro.

A família nº 2 tem iluminação de designer, com lâmpadas adequadas. Lâmpadas de halogéneo?

Usamos essencialmente lâmpadas de díodo emissor de luz (LED). A única exceção é o tubo fluorescente na cozinha. Instalei-a sobre a pia.

A família decidiu instalar lâmpadas economizadoras apenas em certas áreas. Nós substituímos as lâmpadas neste teto. As LFC aqui fazem sentido porque esta lâmpada está acesa durante longos períodos de tempo.

A família nº3 acaba de se mudar para uma nova casa e de comprar mobília nova. A maioria das lâmpadas são LFC. Você está preocupado por dormir ao lado de uma lâmpada que contém mercúrio? Já pensou nisso?

Para dizer a verdade, não me passou pela cabeça, mas enquanto o mercúrio estiver contido no vidro, não deverão haver fugas.

Provas anedóticas de três casas: apenas 37% de lâmpadas economizadoras. O resto é uma mistura de lâmpadas de halogéneo, incandescentes e fluorescentes.

37% de lâmpadas economizadoras
28% de lâmpadas incandescentes
23 de lâmpadas de halogéneo
12% de lâmpadas fluorescentes

A família nº 4 estava inicialmente animada com a perspetiva de poupança energética e de custos. O seu entusiasmo não durou muito tempo. Esta é a minha coleção de lâmpadas economizadoras. Experimentámo-las a todas e não gostámos. Por isso acabaram por vir para a cave. Esta é a nossa reserva de lâmpadas incandescentes para a casa.

As lâmpadas economizadoras simplesmente não produzem o tipo de luz que queremos, não podemos usar reostatos e também lemos acerca dos perigos. Elas deveriam ser ambientalmente amigáveis, mas contêm mercúrio. Desculpe, nós simplesmente não conseguimos entender esse conceito. A União Europeia aprovou legislação sobre lâmpadas economizadoras já em 2009. Desde o início que o membro do Parlamento Europeu, Holger Krahmer, expressou o seu ceticismo e apontou os possíveis efeitos adversos para os consumidores.

É claro que as preocupações com a saúde simplesmente não foram um fator na implementação da proibição de lâmpadas incandescentes, mas sim a pressão para comercializar lâmpadas economizadoras. A Comissão Europeia admitiu-o. Na época, que não havia estudos abrangentes. Não foi apenas sobre o mercúrio, havia também preocupações sobre os efeitos psicológicos e outros aspetos desse tipo de iluminação.

Mas será que a Comissão da UE não realizou testes extensivos? Pedimos ao Comissário para a Energia, Guenther Oettinger, para comentar. Ele recusou-se, enviando uma porta-voz em seu lugar.

Foram realizados estudos sobre os possíveis efeitos adversos das LFC, antes da proibição de lâmpadas incandescentes?

Antes de começarmos a tirar lâmpadas do mercado, investigámos o problema do mercúrio nas lâmpadas economizadoras. Perguntámos a alguns dos cientistas independentes no nosso conselho consultivo e eles indicaram que não havia riscos com as quantidades de mercúrio contidas nas novas lâmpadas economizadoras.

A Comissão Europeia não recebeu os resultados do estudo até 2010 (após a proibição das lâmpadas incandescentes).

Um dia depois, ela enviou uma correção. Num e-mail, ela escreveu que os resultados dos testes extensivos só foram apresentados em 2010, muito tempo após a proibição ter entrado em vigor. Num estudo de 2009, os investigadores analisaram apenas cinco LFC’s diferentes. Essa era a exigência mínima. Então, porque foi tomada a decisão urgente para proibir as lâmpadas incandescentes e substituí-las pelas LFC?

Foi no auge do debate climático, que começou na Austrália e que se espalhou pelo mundo. Todo mundo estava a desatarraxar lâmpadas e ninguém queria ser deixado para trás, incluindo a Chanceler Angela Merkel. Não havia como travá-lo; as lâmpadas incandescentes tinham de ser banidas para salvar o mundo. A Comissão Europeia nomeou um comité para definir as diretrizes para as lâmpadas economizadoras. Nele estavam incluídos especialistas do setor, juntamente com representantes de grupos de consumidores.

Porque é que estavam presentes fabricantes como a Philips ou a Osram? É tudo sobre quem conhece quem. O sistema de amiguismos. Os burocratas da Comissão da UE têm círculos de amigos, trabalham em rede. E quando se trata de uma decisão sobre algumas questões, eles convidam aqueles que podem ser afetados. E tem de ficar bem claro que as preocupações ambientais não são necessariamente a prioridade mais alta, e sim, essas decisões são fortemente influenciadas pelos interesses mercantilistas. Não há lucro nas lâmpadas incandescente, talvez alguns cêntimos. A margem de lucro é muito maior nas LFCs. É por isso que os interesses comerciais ultrapassaram as preocupações ambientais na tomada dessa decisão.

Os defensores apontam que as lâmpadas economizadoras realmente poupam eletricidade e têm uma vida útil muito mais longa. Mas é realmente assim? Em Frankfurt, visitámos os escritórios da revista alemã de defesa do consumidor, a Ecotest. Tem vindo a fazer uma extensa investigação acerca das LFC. O Chefe de Redação, Jürgen Stellpflug, e a sua equipa estudaram 16 modelos diferentes para descobrir se atingem as vidas úteis anunciadas pelos seus fabricantes.

Aqui, eles afirmam que esta lâmpada fluorescente de 11 watt pode substituir uma lâmpada de filamento de 60 watts. Na verdade ela simplesmente não é suficiente. As nossas descobertas indicam que são necessários pelo menos 14 watts. Mas o brilho das LFC também se esbate rapidamente por isso, na verdade, será necessária uma lâmpada economizadora de 21 watts para substituir uma antiga lâmpada incandescente de 60 watt.

E o tempo de vida útil?

Sim, este é o tempo de vida útil. De acordo com isto, uma lâmpada economizadora dura mais de oito vezes a vida de uma lâmpada tradicional. O fabricante é obrigado a imprimir esta informação na embalagem; mas nada disto faz sentido.

Sim, eles fazem-no, mas não há nenhuma verificação de verdade das afirmações. Mas este laboratório e Wilhelm Hoffman verificam. O engenheiro eletricista Wolfgang Herter e a sua equipa do Centro Técnico Pfund têm vindo a testar lâmpadas durante anos, a pedido de grupos de defesa do consumidor. Isso inclui testes na vida útil real das lâmpadas economizadoras. Esta sala contém mais de 100 lâmpadas, de 36 fabricantes. Em média, elas deveriam fundir entre as oito e as 10 mil horas.

Estamos realizar um teste de longevidade com 7 mil horas de duração e 30% das lâmpadas já fundiram.
É uma taxa elevada.

Além disso, temos uma linha onde as luzes são regularmente desligadas e ligadas. A cadência é estarem ligadas um minuto e desligadas durante cinco minutos. E o teste funciona 24 horas por dia. As primeiras lâmpadas fundiram na marca das três mil horas. E dá para ver, através destas manchas escuras que esta lâmpada está prestes a fundir. Numa casa de banho, as famílias acendem e apagam a sua lâmpada pelo menos 10 vezes por dia. Deste modo, uma LFC provavelmente não duraria um ano.

Pedimos ao maior fabricante de lâmpadas alemão para explicar a aparente discrepância. A Osram respondeu-nos por e-mail.

‘Somos o único fabricante da Alemanha que dá garantia às nossas lâmpadas economizadoras. Esta garantia aplica-se particularmente ao tempo de vida útil’. No entretanto, restabelecemos contato com os sindicalistas chineses. Eles conseguiram introduzir um dos seus membros dentro de uma fábrica de montagem da empresa ‘Foshan Electrical and Lighting’. Esta fábrica produz lâmpadas fluorescentes que funcionam com o mesmo princípio LFC. O principal componente é o mercúrio. Heinrich Kramer é um designer de iluminação anteriormente empregado por um grande fabricante, que fala com autoridade sobre as imagens obtidas na fábrica chinesa.

Heinrich Kramer - Designer de Iluminação

Os funcionários não estão a usar equipamentos de proteção. Eles deviam estar a usar máscaras respiratórias e roupas de proteção adequadas, que deviam ser deitadas fora à saída da linha de produção.

Se um destes tubos partirem, sairá de lá mercúrio altamente tóxico. A legislação chinesa estipula equipamentos de proteção individual, mas parece que alguns funcionários não estão cientes dos riscos à saúde. Ao longo dos últimos anos têm sido documentados numerosos casos de acidentes tóxicos, incluindo nesta fábrica. Sob estas condições, será correto chamar ‘ecológicas’ a estas lâmpadas?
Seguramente que não, quando virmos por este prisma. Elas consomem menos energia elétrica, mas ninguém pensa nos danos ambientais causados pelo mercúrio. E isto deveria ser mais escandaloso, dado o amplo conhecimento de que o mercúrio é altamente tóxico para o meio ambiente. Foram implementadas isenções especiais da UE para disponibilizar as LFCs aos consumidores. As orientações são muito mais rigorosas para todos os outros instrumentos. Os termómetros de mercúrio estão proibidos, mas há diretrizes especiais para os tubos fluorescentes e para as LFC. Assim, estas lâmpadas economizadoras continuarão a poluir o meio ambiente.

Em 2004, a fabricante alemã Osram comprou uma participação na Foshan Electrical and Lighting. Em comunicado, a Osram declara: ‘Com o objetivo de melhorar a segurança e saúde no trabalho, a Osram implementou com sucesso estas e outras medidas em 2010: aplicação de tecnologias de dosagem modernas, monitorização semanal de mercúrio, construção de novos mecanismos de ventilação e exaustão’.

Depois há o problema da eliminação das lâmpadas fundidas. Na Alemanha é proibido deitá-las fora com o restante lixo doméstico. Nós fomos a uma superfície comercial para ver se eles tinham um programa de reciclagem. Não parece ser o caso. Desculpe-me, eu gostaria de reciclar essa lâmpada. Desculpe, mas não posso ajudar, eu acho que não podemos aceitá-las. Não havia nada na secção de iluminação; ‘nós não as aceitamos’. Mas eu comprei aqui, ‘isso não importa’. A única alternativa é uma viagem ao centro de reciclagem. No caminho, o meu carro queimou quase um litro de gasolina e emitiu mais de 2.000 gr de CO2. Tudo para eliminar uma lâmpada ‘amiga do ambiente’. A separação de resíduos funciona realmente de forma bastante eficiente na Alemanha ambientalmente consciente. Mas as LFCs são um gigantesco problema de reciclagem. Os centros de reciclagem são obrigados a aceitá-las, mas os especialistas estimam que apenas cerca de 10% das LFC das famílias alemãs estão a ser adequadamente descartadas. Isso significa que 90% são jogadas fora com o lixo normal e acabam em aterros sanitários, constituindo um perigo para o meio ambiente. Mas, certamente, a comissão da UE impôs diretrizes de reciclagem. Os burocratas de Bruxelas têm regulamentado quase todos os aspetos das nossas vidas; porém a porta-voz do comissário da UE não conseguia encontrar as leis aplicadas a reciclagem de LFC’s.

No que diz respeito à reciclagem, as lojas que vendem as lâmpadas devem também aceitá-las no fim da sua vida útil. Mas não o fazem.

Têm de fazer. As lojas têm de aceitá-las de volta.

Devolver as LFC’s para reciclagem? As lojas recusam-se e dizem que não são obrigadas a aceitá-las. Não é possível descartar as lâmpadas fundidas fora do local onde as adquiriu.

A lei estabelece que as lojas devem aceitá-las. A lei diz também que os países membros devem informar os seus cidadãos onde e como depositar essas lâmpadas. É claro que isso inclui a Alemanha e os cidadãos alemães. A porta-voz do comissário europeu de Energia estava errada. A Sra. Holzner corrige a sua declaração no dia seguinte à nossa entrevista; as lojas podem reciclar as lâmpadas numa base voluntária.

Os designers de iluminação estão a desenvolver lâmpadas que funcionam sem mercúrio. Na casa da Unilever, em Hamburgo, um misto de iluminação LED e iluminação natural fazem parte de um conceito de energia progressiva eficiente. É uma solução cara; ao custo de 44 euros por lâmpada, os LED’s estão além do orçamento de muitas famílias. Mas duram até cinco vezes mais do que as LFCs. Os LED’s são uma forma muito eficaz e eficiente para gerar luz. A maior vantagem é que o LED emite a luz máxima assim que se carrega no interruptor. Esta é a minha principal queixa em relação às LFC’s. Você pode cair das escadas, porque não há luz suficiente. Os LED’s resolvem este problema - são uma boa alternativa.

Mas se os LED’s são muito caros e as LFC’s são muito perigosas, restam poucas opções. Esta loja de iluminação em Hamburgo reconheceu uma oportunidade de negócio; encomendou e acumulou milhares de lâmpadas tradicionais. Stefan Schrader espera estar a apostar num negócio próspero.

Stefan Schrader - Comerciante

Olhe para essa lâmpada, é linda. Eu tenho cerca de mil neste estilo. E quantas lâmpadas no total? Pelo menos um ou dois milhões.

A 01 de setembro, a Europa despediu-se da lâmpada incandescente. Os consumidores reforçaram o seu stock e a procura pelas LFC’s é… moderada, na melhor das hipóteses. Trata-se de um produto potencialmente tóxico, que simplesmente não faz jus à sua fama. Fonte: http://saude.acordem.com/


Veja também: ''Andar descalço e sentir o contato com a energia da terra pode melhorar e muito a sua saúde'' Afirmam especialistas