quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Tags: , ,

Atenção: Super tempestade solar poderá desestabilizar a terra em breve, países estão em estado de alerta


Aqui está o Plano de Ação dos Estados Unidos contra esse tipo de evento;




A Terra tem chance de aproximadamente 12% de experimentar uma enorme erupção solar na próxima década. Em termos astronômicos, esse número é uma chance imensa, já que estamos falando de uma chance em cada oito. Este evento poderá causar 9 trilhões de reais na atual cotação do dólar  em danos só para os ESTADOS UNIDOS, o país pode levar até 10 anos para se recuperar. Tal evento extremo é considerado relativamente raro. A última tempestade solar dessa magnitude ficou conhecida como o Evento Carrington, e ocorrera pouco mais de 150 anos atrás, foi o evento mais poderoso já conhecido na história.

Um evento desse tipo ter uma chance maior do que 10% de acontecer nos próximos 10 anos foi surpreendente para o físico espacial Pete Riley, cientista sênior do Predictive Science em San Diego, Califórnia, que publicou a estimativa no Space Weather em 23 de fevereiro.

O Sol passa por um ciclo de aumento e diminuição da atividade a cada 11 anos. Durante o máximo solar, a estrela fica pontilhada com muitas manchas e enormes redemoinhos magnéticos explodindo de sua superfície. Ocasionalmente, estes erupções emanam do sol, expelindo uma massa de partículas carregadas para o espaço.  Pequenas explosões solares acontecem com bastante frequência, enquanto grandes são raras – isso pode ser representado com uma distribuição matemática conhecida como lei de potência. Riley foi capaz de estimar a chance de uma enorme tempestade solar ao olhar para bancos de dados históricos e calcular a relação entre o tamanho e a ocorrência de erupções solares. O maior evento de energia solar já registrado foi o Evento Carrington, que ocorreu em 01 de setembro de 1859. Naquela manhã, o astrônomo Richard Carrington observou uma enorme labareda solar entrar em erupção a partir da superfície do sol, emitindo um fluxo de partículas na Terra viajando a mais de 6,5 milhões de km/h.

Quando elas atingem a atmosfera da Terra, essas partículas interagem com o campo magnético da Terra e gera as intensas fitas fantasmagóricas de luz conhecidas como auroras. Embora normalmente aconteçam mais ao norte e ao sul do planeta, o fenômeno atmosférico chegou tão longe como Cuba, Havaí e norte do Chile.
Auroras podem ser bonitas, mas as partículas carregadas podem causar estragos em sistemas elétricos. No momento do Evento Carrington, estações telegráficas pegaram fogo, suas redes experimentaram grandes interrupções e observatórios magnéticos registraram distúrbios no campo da Terra que ficaram literalmente fora da escala. No mundo moderno de hoje, que é totalmente dependente da energia elétrica, uma tempestade solar de escala semelhante poderia ter consequências catastróficas, podendo contribuir para a erosão de oleodutos e gasodutos. Eles podem perturbar satélites GPS e perturbar até mesmo toda a comunicação de rádio na Terra.

Durante uma tempestade geomagnética em 1989, por exemplo, a rede de energia Hydro-Quebec do Canadá, entrou em colapso por 90 segundos, deixando milhões de pessoas sem eletricidade por até nove horas.

O dano colateral potencial nos EUA de uma tempestade solar do tipo Carrington pode chegar entre US$ 1 e US$ 2 trilhões só no primeiro ano, com recuperação total tendo um número estimado de 4 a 10 anos, de acordo com um relatório de 2008 do Conselho Nacional de Pesquisa dos EUA.

“Uma queda de longo prazo provavelmente incluiria, por exemplo, interrupção do transporte, comunicação, serviços bancários, e sistemas de finanças e serviços governamentais; a repartição da distribuição de água potável devido à falha de bombas; e a perda de alimentos perecíveis e medicamentos por causa da falta de refrigeração”, disse o relatório do NRC.

Mas essas possibilidades provavelmente representam apenas o cenário de pior caso, disse Robert Rutledge, líder do escritório do Centro de Previsão NOAA / Serviço Meteorológico Nacional do Clima Espacial. Os perigos potenciais poderiam ser significativamente menores, uma vez que as companhias de energia podem estar conscientes de tais problemas e tomar medidas para mitigá-los.

Por exemplo, as companhias podem armazenar energia em áreas onde se esperam poucos danos ou trazer linhas adicionais para ajudar com as sobrecargas de energia. É claro, elas precisam receber avisos suficientes quanto à hora e local do impacto de uma tempestade solar no Planeta. Satélites relativamente perto da Terra serão obrigados a medirem a força exata e a orientação de uma tempestade. Fonte: [Climatologia Geografica]

Leia também: A NASA estaria ocultando a chegada de NIBIRU? Novo vídeo comprova a existência de Nibiru/Planeta X