sábado, 28 de novembro de 2015

Tags:

Marrocos dá exemplo ao mundo e vai inaugurar a maior usina de energia solar já feita no mundo


Complexo de usinas solares é parte do projeto marroquino de ter, até 2020, 50% da energia do país gerada por fontes sustentáveis




Ouarzazate é uma cidade que fica no norte do Marrocos, conhecida popularmente como “as portas do Saara”, devido a sua proximidade com o famoso deserto africano.

A cidade é um grande polo de produção cinematográfica. Lá foram filmados os blockbusters “Lawrence das Arábias”, “A Múmia”, “007 – Marcado Para Morrer” e até alguns episódios da série “Game of Thrones”.

Agora, a cidade se prepara para ser centro de outro grande projeto: um complexo de quatro enormes usinas de energia solar interligadas que, somado à produção de energia eólica e hidrelétrica do Marrocos, poderá fazer o país ter, até 2020, metade de toda sua energia gerada por fontes sustentáveis, com excedentes o bastante para exportar para a Europa.

O projeto é um elemento-chave nas ambições do Marrocos de usar áreas inexploradas do deserto para se tornar uma superpotência global na geração de energia solar.

A primeira usina do complexo, chamada Noor 1 (Luz 1, em árabe), entrará em operação em novembro deste ano, já com o status de maior usina solar do mundo. Serão 500 mil painéis solares dispostos em forma de lua crescente, que se curvarão conforme a posição do sol.

O tipo de painel solar usado no projeto é mais complexo e mais caro do que os que atualmente são usados em telhados de casas ao redor do mundo. No entanto, ele tem capacidade de continuar a produzir energia mesmo após o pôr do sol.

Quando as quatro usinas estiverem concluídas, será o maior complexo de energia solar do planeta. Ele terá uma área de cerca de 117 km², mesmo tamanho da cidade de Rabat, a segunda maior do Marrocos. O complexo terá capacidade de gerar 580 megawatts de energia. Somente Noor 1, tem capacidade de geração de 160 megawatts.

O ministro do Meio Ambiente marroquino, Hakima el-Haite, acredita que, neste século, o complexo terá no Marrocos o mesmo impacto que o petróleo teve no século passado.

“Não somos um país produtor de petróleo. Importamos 94% da nossa energia de fontes de combustíveis fósseis e isso tem um grande impacto em nossa receita. Também costumamos subsidiar os combustíveis fósseis, o que tem um custo alto. Por isso, quando ouvimos falar sobre o potencial da energia solar pensamos ‘Por que não?’”, disse o ministro, ressaltando que o país tem “muito orgulho do projeto”.

O potencial de geração de energia dos desertos é conhecido há décadas. Em 1986, dias após o acidente nuclear da usina de Chernobyl, na Ucrânia da era soviética, o físico alemão Gerhard Knies calculou que os desertos existentes no planeta recebem, em poucas horas, energia suficiente para abastecer a demanda mundial por um ano. Fonte: Viva Green