terça-feira, 3 de novembro de 2015

Tags:

Nasa desmente aquecimento global ao revelar que Antártida não está diminuindo e sim ganhando mais gelo


Um novo estudo da NASA surpreendeu ao anunciar que na Antártida esta havendo um aumento na acumulação de neve, que começou há 10.000 anos e está atualmente adicionando gelo suficiente ao continente de maneira a compensar as maiores perdas de suas geleiras.




A pesquisa desafia as conclusões de outros estudos, incluindo o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC 2013), que dizia que o continente estava sendo prejudicado devido ao aquecimento global.

De acordo com a nova análise de dados de um satélite, a camada de gelo da Antártida mostrou um ganho líquido de 112 bilhões de toneladas de gelo por ano entre 1992 e 2001. Este ganho diminuiu para 82 bilhões de toneladas entre 2003 e 2008.

"Estamos essencialmente de acordo com outros estudos que mostram um aumento no derretimento de gelo na região da Península Antártida, em Pine Island e Thwaites, que ficam localizadas na parte ocidental", disse Jay Zwally, glaciologista da NASA e principal autor do novo estudo, que foi publicado em 30 de outubro no 'Journal of Glaciology'.

"Nossa principal discordância se refere à Antártida Oriental e o interior da Antártida Ocidental. Nestes espaços foi possível vermos um ganho de gelo que excede as perdas nas outras áreas". Ele ainda acrescentou que a sua equipe mediu "pequenas mudanças de altura em grandes áreas, bem como grandes mudanças observadas em áreas menores. " Para calcular o quanto em altura a camada de gelo aumentou, os cientistas utilizam os altímetros dos satélites.

A notícia pode parecer reconfortante, no entanto, bastam algumas décadas para que o crescimento seja invertido, de acordo com Zwally. "Se as perdas da Península e das partes do oeste continuarem a aumentar no mesmo ritmo que tem acontecido durante as últimas duas décadas, as perdas de gelo vão superar o ganho dele em 20 ou 30 anos". Apesar do aumento da quantidade de gelo, a quantidade de neve que cai na Antartida Ocidental teve uma queda em 11 bilhões de toneladas por ano, a partir de um cálculo iniciado em 1979.
"No final da última Era Glacial, o ar tornou-se mais quente e levou mais umidade a todo o continente, duplicando a quantidade de neve que caiu sobre a camada de gelo", disse Zwally.

A queda de neve extra que começou a 10.000 anos atrás foi se acumulando lentamente na camada de gelo e compactando-se em gelo sólido ao longo de milênios. Este, por sua vez foi engrossando a superfície da Antártida Oriental e o interior da Antártida Ocidental em uma média de 1,7 centímetros por ano. Este pequeno espessamento, sustentado ao longo de milhares de anos.

"A boa notícia é que a Antártica não está a contribuindo para a elevação do nível do mar, e sim reduzindo 0,23 milímetros por ano" confirmou Zwally. "Mas esta é também uma má notícia. Se os 0.27 milímetros por ano de aumento não estão sendo contabilizados no relatório do IPCC, e ainda assim há uma elevação no nível do mar, deve haver alguma outra contribuição para o fenômeno". [Yahoo news

Leia também: Ex-militar americano Bob Dean mostra vídeo da NASA de possível nave mãe gigantesca