terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Tags: ,

Profeta cega que previu o 11 de setembro fez revelação bombástica sobre o Estado Islâmico


Em 1989, uma senhora búlgara cega previu que os “irmãos americanos” seriam atingidos por “dois pássaros de aço”. Alguns anos depois, antes dela falecer, em 1996, seus seguidores contam que ela havia declarado que uma "grande onda" iria "cobrir uma costa de pessoas e cidade, e tudo iria desaparecer sob a água", esta seria, portanto, a previsão do tsunami de 2004.




Hoje, em 2015, mais uma das declarações premonitórias de Baba Vanga vem ao público. Ela aparentemente já havia previsto a ascensão da ‘grande guerra muçulmana’ em 2016, de acordo com registros deixados.

Vanga morreu em 1996, aos 85 anos, e era conhecida como a ‘Nostradamus dos Bálcãs’, em referência ao alquimista que viveu durante a época do Renascimento.

A respeito da ascensão do Islã ela fez afirmações ainda mais futuras e preocupantes, tendo em vista o número de acertos. Ela garantiu que a guerra muçulmana seria iniciada após a primavera árabe de 2010 e que o fim deste processo só aconteceria em 2043. O mais alarmante, o centro dos conflitos seria a Síria e que o fim teria Roma com o ‘califado’ da civilização muçulmana.

Ainda sobre o nosso futuro, a vidente também alegou que a Europa vai 'deixar de existir' até o final do próximo ano e que o continente acabará quase vazio, como um terreno baldio quase inteiramente desprovido de qualquer forma de vida. A profecia arrepiante tem alertado os teóricos da conspiração que destacam atividade do Estado Islâmico na Líbia, bem próxima à Europa.

Vanga nasceu em uma vila em Strumica, no pé de uma montanha e acredita-se que ela perdeu a visão durante uma tempestade quando foi apanhada por uma rajada de vento e jogada de volta ao chão. A mulher, mais tarde, alegou que tinha capacidade de ver o futuro e rapidamente adquiriu um número de seguidores. Ao ficar mais velha, passou a ser aconselhadora de ricos, famosos e até mesmo de chefes políticos. [Yahoo Notícias]

Veja também: Estado Islâmico corre o risco de ser eliminado por doença mortal que necrosa todo o corpo