segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Tags: ,

Americano consegue pegar estranho objeto caiu de um OVNI e deixa pesquisadores intrigados


Numa noite do ano de 1985, Bob White viajava no seu automóvel mais uma amiga, numa estrada entre o Colorado e Utha, nos E.U.A. A dado momento, avistaram uma luz de cor vermelho intenso que manobrava a poucos metros do solo. 




Surpreendidos, aproximaram-se e pararam o carro para observar melhor. Bob decidiu então sair do carro e deixar os faróis projectados em direcção á estranha luz, a qual pela sua surpresa, saiu disparada em direcção ao céu, para se ir juntar a outros dois objectos compridos e de formato cilíndrico. Estes possuíam uma cor azul-eléctrico, tipo néon e estavam posicionados um ao par do outro. Entretanto a luz vermelha veio-se a unir encaixando-se entre os dois, para logo de seguida saírem disparados em direcção ao céu. Porém neste momento, ouviu-se um estrondo como se fosse uma explosão e um objecto incandescente caiu do céu próximo a eles. Bob dirigiu-se ao local onde teria caído o objecto e encontrou um sulco na terra, como se este tivesse caído em alta velocidade. O estranho fragmento ainda estava incandescente e Bob teve que esperar que este arrefece-se. De seguida envolveu-o num pano e levou-o com ele.

Mais tarde contou á família e aos amigos mais próximos, mas foi aconselhado por eles a não revelar abertamente a sua história, já que era uma pessoa conhecida e poderia cair no ridículo. Por isso, a sua história só se tornou pública em 1996. Bob White realizou também vários teste de Polígrafo passando satisfatoriamente, o que determinou que a história que contava seria real.

Analisando o fragmento...

Após o incidente, White mandou analisar o fragmento a vários laboratórios e cientistas que fizeram vários testes, porém, com resultados inconclusivos, o que causou o esquecimento do caso. Recentemente e após tantos anos, e com a colaboração dos "Caçadores de Ovnis" do programa The History Chanel, resolveram aproveitar a tecnologia actual mais avançada e refazer os testes.

Descobertas surpreendentes.
Depois de se fazerem vários testes inclusive de raios x, foi possível verificar o que já se acreditava antes. O fragmento é uma liga de alumínio que contém muita prata e outros metais raros que não se encontram naturalmente nestas ligas. Como ele é de alumínio e contém muita prata, isso faz com que o objecto seja um semi-condutor ou seja, a energia eléctrica flui livremente por ele, produzindo também um tipo de onda magnética que faz com que os aparelhos eléctricos deixem de funcionar. Essas ondas magnéticas são emitidas pelos dois lóbulos centrais do objecto.

É possível observar os dois lóbulos centrais do fragmento por onde a energia ou as ondas magnéticas fluem livremente.

Sabe-se hoje que o objecto é um semi-condutor policristalino ou seja, um quase cristal de uma estrutura muito complexa da Nanotecnologia. Tecnologia essa que ainda hoje está em fase de testes e em 1995 não existia comprovadamente. Isso prova que o fragmento foi fabricado artificialmente, pois é algo que não se encontra naturalmente em lado nenhum com este tipo de ligamentos. Veja o vídeo abaixo sobre este interessante caso.

Objecto idêntico encontrado na Dinamarca.
Recentemente teve-se conhecimento através da desclassificação de documentos do governo dos E.U.A, de que um objecto idêntico foi encontrado na Dinamarca em 1940. O documento tem como nome "Flying Saucer from Denmark".

As semelhanças entre os dois fragmentos são idênticas.

Conclusão.

O espaço é o ambiente perfeito para a supercondutividade. Então este fragmento seria capaz de passar pela atmosfera de um planeta ,sem sofrer nenhum tipo de artrito. Sendo assim, uma nave feita com esse material, seria perfeita para viajar pelo espaço.

Confira o vídeo: