domingo, 27 de março de 2016

Tags: ,

Saiba o verdadeiro significado sobre a pascóa que padres e pastores tentam esconder da população

 A Páscoa é uma festa e feriado comemorado por milhões de pessoas ao redor do mundo que celebram a ressurreição de Jesus de entre os mortos, descritas no Novo Testamento, como tendo ocorrido três dias após a sua crucificação no Calvário. É também o dia em que as crianças animadamente esperaram o coelhinho da Páscoa chegar e entregar seus  ovos de chocolate (ovos de páscoa).




A Páscoa é uma “festa móvel”, que é escolhida para corresponder com o primeiro domingo após a lua cheia depois do equinócio de março, e ocorre em datas diferentes ao redor do mundo. Igrejas ocidentais usam o calendário gregoriano, enquanto as igrejas orientais usam o calendário juliano. Então, onde é que esta “festa móvel” começa, e quais são as origens das tradições e costumes comemorados neste dia tão importante em todo o mundo?

A maioria dos historiadores, incluindo os estudiosos bíblicos, concordam que a Páscoa foi originalmente uma festa pagã. De acordo com o Dicionário Bíblico “Novo Unger”: “A palavra Páscoa é de origem saxônica, Eastra, a deusa da primavera, cujos sacrifícios foram oferecidos sobre a época da Páscoa de cada ano. Por volta do século oitavo anglo-saxões haviam adotado o nome para designar a celebração da ressurreição de Cristo. “No entanto, mesmo entre aqueles que sustentam que a Páscoa tem raízes pagãs, há alguma discordância sobre a qual tradição pagã o festival emergiu. Aqui vamos explorar algumas dessas perspectivas.

Ressurreição como um símbolo do renascimento

Uma teoria que foi apresentada é que a história da Páscoa, da crucificação e ressurreição é um símbolo do renascimento e da renovação e reconta o ciclo das estações, a morte e o retorno do sol.

Segundo alguns estudiosos, como o Dr. Tony Nugent, professor de Teologia e Estudos Religiosos da Universidade de Seattle, e pastor presbiteriano, a história da Páscoa vem da lenda suméria de Damuzi (Tamuz) e sua esposa Inanna (Ishtar), um mito épico chamado de “The Descent of Inanna” encontrado inscrito em tabuletas de argila cuneiforme que datam de 2100 a.C.

Quando Tammuz morre, Ishtar fica aflita e segue-o para o submundo. No submundo, ela entra através de sete portas, e seu traje mundano é removido. “Curvada e nua”, ela é julgada, morta, e depois pendurada para exibição. Na sua ausência, a terra perde sua fertilidade, plantações deixam de crescer e animais param de se reproduzir. A menos que algo seja feito, toda a vida na Terra iria acabar.

Depois que Inanna está desaparecida há três dias, sua assistente vai pedir ajuda a outros deuses. Finalmente um deles Enki, cria duas criaturas que carregam a planta da vida e da água para baixo, para o submundo, e aplicam esses elementos em Inanna e Damuzi, ressuscitando-os,  dando-lhes o poder de voltar para a terra – como a luz do sol – por seis meses. Após os seis meses, Tammuz retorna ao submundo dos mortos, permanecendo lá por mais seis meses, e Ishtar o persegue, o que leva o deus da água a resgatar os dois. Assim foram os ciclos da morte (inverno) e vida (primavera).
Dr. Nugent é rápido em apontar que traçando paralelos entre a história de Jesus e o épico de Inanna “não significa necessariamente que Jesus, que foi crucificado, não era uma pessoa real, mas sim que, se existiu, a história sobre ele está estruturada e embelezada de acordo com um padrão que era muito antigo e generalizado”.

A deusa sumeriana Inanna é conhecido fora da Mesopotâmia por seu nome babilônico, “Ishtar”. Na antiga Canaã Ishtar é conhecida como Astarte, e seus homólogos no grego e panteões romanos são conhecidos como Afrodite e Vênus. No século 4, quando os cristãos identificaram o local exato em Jerusalém, onde o sepulcro vazio de Jesus havia sido encontrado, eles selecionaram o local onde um templo de Afrodite (Astarte / Ishtar / Inanna) situou-se. O templo foi demolido e a Igreja  do Santo Sepulcro foi construída, a igreja mais sagrada no mundo cristão.

Dr. Nugent assinala que a história de Inanna e Damuzi é apenas uma de uma série de contos de morte e ressurreição de deuses que representam o ciclo das estações e as estrelas. Por exemplo, a ressurreição de Hórus (egípcio); a história de Mithras, que era adorada na primavera; e o conto de Dionísio, ressuscitado por sua avó. Entre essas histórias estão prevalecendo temas da fertilidade, concepção, renovação, descidas até as trevas, e o triunfo da luz sobre as trevas ou o bem sobre o mal. Fonte: http://gigadicas.com/

Leia também: Religiosos estão em estado de choque: Cientista confirma que alienígenas criaram a raça humana