terça-feira, 26 de julho de 2016

Tags: ,

Duas aranhas de 99 milhões de anos com grandes chifres são descobertas na Ásia e assustam cientistas

Há boas e más notícias para todas as pessoas com aracnofobia. Uma nova descoberta na Ásia lançou uma luz sobre a aparência e os recursos das aranhas de quase 100 milhões de anos atrás. Ambas as aranhas estão mortas. Essa é a boa notícia. A má notícia é que os cientistas acreditam aranhas similarmente com grandes chifres e presas em forma de gancho estão vivas hoje nas selvas da Ásia. 

GRANDES 'CHIFRES' QUE CRESCEM FORA DE SUA CABEÇA 

As duas aranhas foram encontrados em âmbar birmanês há três anos. Se você está procurando um paralelo, pense sobre os mosquitos de Jurassic Park e como todo mundo ficou emocionado quando eles desenterraram um inseto na seiva de árvore fossilizada. Mesma coisa foi com estas aranhas na vida real. As aranhas recentemente descobertas consistem de um par macho e fêmea. Ambas são maiores do que as aranhas modernas encontradas nas florestas tropicais da Ásia. Em particular, a aranha macho está atraindo um monte de estudo de pesquisadores modernos. O que se destaca sobre o espécime do sexo masculino é o grande 'chifre' que cresce fora de sua cabeça. Esta espécie, marcada como Electroblemma bífida, tinha placas de armadura para se defender de espécies competidoras. De acordo com Paul Selden, o principal pesquisador do estudo e professor de paleontologia de invertebrados na Universidade de Kansas, os chifres também continha os olhos das aranhas. O outro aspecto exclusivo das aranhas mumificadas é que elas possuíam presas em forma de gancho. Isso teria lhes permitido garantir um melhor equilíbrio enquanto lutava contra predadores e presas. 

Aranhas modernas semelhantes foram encontradas, apesar de não ser letal, as aranhas carregam um produto químico em suas presas que provoca coceira intensa e inflamação na pele humana.

 
Veja também: Mistério não resolvido: Criaturas humanoides gigantes são vistas por militares em lagos Russos e autoridades abafam o caso