quinta-feira, 21 de dezembro de 2017

URGENTE: Membros da tribo amazônica "isolada" recém-descoberta são assassinados por mineradores de ouro

Empresas ordenaram o assassinato dos nativos da Amazônia "isolados" e por quê?


Um mês atrás, eles eram membros de uma tribo não contactada na Amazônia, vivendo vidas tranquilas coletando ovos e lavando comida. Agora eles estão mortos.

No que diz respeito à mídia oficial, eles tiveram a má sorte de se deparar com mineiros de ouro.

Caos

Procuradores federais no Brasil abriram uma investigação sobre o massacre, que resultou na morte de cerca de dez membros da tribo. Eles dizem que é a mais recente evidência de ameaças a grupos indígenas ameaçados que parecem aumentar nos últimos anos.

A agência brasileira especializada em assuntos indígenas, Funai, disse que se queixou do escritório do promotor local depois que um grupo de mineiros de ouro foi a um bar na área e se gabou de matar os membros da tribo. Eles, aparentemente, chegaram tão longe quanto a mostrar uma pá de mão esculpida, disseram que tiraram dos membros das tribos mortas.

"Foi uma conversa em barro", disse Leila Silvia Burger Sotto-Maior, coordenadora da Funai para tribos não contactadas e recentemente contactadas. "Eles até se vangloriaram de cortar os corpos e jogá-los no rio".

Ela disse que os mineiros alegaram: "Eles tiveram que matá-los ou eles seriam mortos".

Sotto-Maior explica que os assassinatos ocorreram há cerca de um mês. O Bureau de Assuntos Indígenas levou o caso à polícia depois de uma série de entrevistas com os interessados.
"Há muita evidência, mas precisa ser comprovada", disse ela.

O promotor encarregado do caso, Pablo Luz de Beltrand, confirmou que uma investigação começou, mas disse que não poderia discutir detalhes do caso até que mais fatos fossem conhecidos.

"Estamos seguindo, mas os territórios são grandes e o acesso é limitado", disse Beltrand. "Essas tribos não são contactadas - até mesmo a Funai tem apenas informações esporádicas sobre elas. Portanto, é difícil trabalhar que exige que todos os departamentos governamentais trabalhem juntos ".

O Sr. Beltrand disse que era o segundo episódio que ele estava investigando até agora apenas este ano.

Survival International, um grupo mundial de direitos indígenas, advertiu que, dado os pequenos tamanhos das tribos amazônicas isoladas, este último massacre poderia ter eliminado uma parcela significativa desse grupo étnico.

"Se a investigação confirmar os relatórios, será mais um massacre genocida resultante diretamente do fracasso do governo brasileiro em proteger tribos isolados - algo garantido na Constituição", disse Sarah Shenker, uma ativista sênior com o grupo de direitos humanos.

Sob o presidente do Brasil, Michel Temer, o financiamento para os assuntos indígenas foi cortado, pelos desejos de seus doadores corporativos.

"Tivemos problemas com os governos anteriores, mas não assim", disse Sotto-Maior, coordenadora da Funai.

Esses problemas incluem cortes de orçamento maciços que têm prejudicado a agência. O orçamento deste ano para o departamento de tribo não contactada é de apenas dois milhões de reais. "O que posso fazer com dois milhões de reais?", Perguntou.

O presidente Temer, que é profundamente impopular, tem sido acusado de ser essencialmente comprado por potentes lobbies agrícolas, ranchos e mineradores que estão tentando impulsionar mudanças econômicas através do Congresso e protegê-lo de uma investigação de corrupção em curso. A corrupção é tão profunda que a câmara baixa do Congresso votou em poupá-lo de julgamento por corrupção no Supremo Tribunal no mês passado. Talvez, sem surpresa, isso foi apenas depois que o presidente realizou empregos e concordou com uma série de concessões, incluindo um grande número que reduz o desmatamento e os regulamentos de direitos de terra.

Um decreto do presidente Temer abriu uma grande reserva na Amazônia para a mineração, o que, por sua vez, provocou um protesto internacional de ambientalistas e ativistas dos direitos do solo. Um juiz bloqueou o decreto; No entanto, o governo recentemente decidiu que seria revisar sua decisão com a esperança de o passar.

As disputas da terra aumentaram em todas as áreas rurais do Brasil. Grupos indígenas, trabalhadores rurais e ativistas da terra foram vítimas de violência durante esse confronto, e a Comissão Pastoral da Terra brasileira informou que 50 pessoas morreram neste confronto neste ano.

Em alguns casos, agentes do governo ou da polícia estão ligados à violência. Um ataque recente da polícia deixou dez nativos mortos. Embora os agentes envolvidos tenham tentado justificar a violência como legítima defesa, nenhum dos oficiais ficou ferido.

Os ativistas observam que grupos nativos, especialmente aqueles que ainda não tiveram contato significativo com a civilização, correm o maior risco em disputas de terras.

Claro, isso pode proporcionar um incentivo para que algumas pessoas desejem ver esses indígenas apagados. A terra que eles ocupam às vezes é valiosa para seus recursos - incluindo ouro e madeira. Aqueles que desejam atrapalhar isso têm um incentivo para querer ver esses povos nativos exterminados.

No mínimo, os mineiros de ouro, neste caso, são um exemplo de oportunismo. Na pior das hipóteses, algumas corporações foram conhecidas por tentar expulsar pessoas nativas de suas terras para o seu lucro e, às vezes, podem contratar outros para fazer o trabalho sujo. O que o caso era desta vez nunca pode ser conhecido, mas há um padrão perturbador emergente nas mortes de muitos amazônicos nativos. É claro que um grande número de corporações poderia se tornarem ricas nesta terra.

É muito importante a tua partilha para que todos saibam do acontecido!