quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Médico descobre que a cura do câncer está sendo bloqueada pela industria farmacêutica

Em 12 de abril de 1955, a primeira vacina bem sucedida contra a poliomielite foi administrada a quase 2 milhões de escolares em todo o país. Seu descobridor, Jonas Salk, pesquisador médico da Universidade de Pittsburgh, foi entrevistado na CBS Radio naquela noite.


Um dos admiradores de Salk é Evangelos Michelakis, um pesquisador de câncer da Universidade de Alberta que, há três anos, descobriu que um produto químico comum não tóxico conhecido como DCA, abreviação de dicloroacetato, parece inibir o crescimento de tumores cancerosos em camundongos.

Embora recentemente um grupo de cientistas da Universidade de Alberta, no Canadá, diga que descobriram uma substância que remove células afetadas por tumores, mas não obtém fundos para acompanhar seus testes porque a substância que eles utilizam não é patente.

Os pesquisadores da Universidade de Alberta conseguiram curar o câncer usando um medicamento chamado dicloroacetato, no entanto, uma vez que esta substância não requer uma patente e é barata em comparação com drogas usadas para combater o câncer por grandes empresas farmacêuticas, esta pesquisa não recebeu muito apoio.

DR. EVANGELOS MICHELAKIS

Professor da Universidade de Alberta, ele testou dicloroacetato em células humanas e observou que mata células cancerosas nos pulmões, cérebro e tórax e deixa apenas células saudáveis. Em ratos com tumores graves, suas células encolheram quando foram alimentadas com esta substância.

O dicloroacetato desencadeia uma ação nas mitocôndrias para terminar naturalmente com câncer nas células (tradicionalmente se concentra na glicólise para combatê-la).

O Dr. Michelakis expressou sua preocupação em não encontrar fundos para realizar ensaios clínicos com dicloroacetato, pois não representaria ganhos sólidos para investidores privados, uma vez que não está patenteado.

Isso se encaixa exatamente no que o Prêmio Nobel de Medicina, Richard J. Roberts, disse em uma entrevista sobre como os medicamentos que curam não são lucrativos e é por isso que eles não são desenvolvidos pelas empresas farmacêuticas que desenvolvem medicamentos crônicos que eles são consumidos em série.