segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Arqueólogos desenterram crânio alongado gigantesco de milhares de anos no Egito

Uma equipe internacional de pesquisadores alemães e egípcios recuperou uma incrível estátua de quartzoito de oito metros que foi encontrada em um poço em um bairro da capital egípcia, o Cairo. De acordo com o Ministério da Cultura, a estátua poderia ser uma das descobertas mais importantes da história do Egito.


A estátua que descreve claramente um governante foi encontrada na região que uma vez ficou nas sombras do templo de Ramsés II na antiga cidade de Heliópolis, que fica a leste do Cairo moderno. De acordo com o chefe da equipe arqueológica egípcia, os arqueólogos estão atualmente completando sua investigação e escavação do local para confirmar quem representa a estátua.

OS ARQUEOLOGISTAS RECUPERAM UMA DAS DESCOBERTAS MAIS SIGNIFICATIVAS NA HISTÓRIA EGIPCIA

Os arqueólogos ainda não encontraram qualquer inscrição na estátua que possa identificar definitivamente quem era o rei antigo. No entanto, é quase certo que a estátua representa Ramsés II, que fundou o extraordinário templo do sol que costumava estar nesta área particular.

Os pesquisadores dizem que o templo solar, que foi destruído durante a era greco-romana, foi um dos maiores e mais complexos do Egito, além de ser um dos locais mais sagrados e culturalmente significativos na era dos antigos egípcios.

De acordo com Dietrich Raue, chefe da equipe alemã, os antigos egípcios acreditavam que Heliópolis era o lar do deus do sol, o que significava que nem mesmo os faraós e suas famílias poderiam construir suas residências lá. O templo do sol foi um dos mais importantes projetos arquitetônicos realizados pelo faraó Ramsés II, considerado por especialistas como um dos governantes mais poderosos e respeitados da antiga civilização egípcia.

Ele era o terceiro governante da décima primeira dinastia e era mais conhecido por seus esforços militares expansionistas em todo o continente africano. Sob o reinado de Ramsés, o antigo império egípcio cresceu para abranger o território da Síria, no leste, para o Sudão, no sul. Sua proeza militar levou seus sucessores a se referir a ele como o "grande ancestral".

De acordo com a equipe arqueológica, eles vão extrair os restantes pedaços da estátua e, em seguida, começar a árdua tarefa de restaurar a estrutura antiga para a sua antiga glória. A estátua deverá ser colocada na entrada do Grande Museu egípcio em 2018.

Confira o vídeo: