domingo, 25 de fevereiro de 2018

Putin liga para agradecer a Trump por avisar e frustrar um atentado terrorista na Rússia

O presidente russo, Vladimir Putin, agradeceu o presidente dos EUA, Donald Trump, depois que a CIA ajudou a desmantelar um plano terrorista em São Petersburgo.

A CIA enviou à Rússia uma sugestão que ajudou a prevenir um atentado terrorista contra uma catedral na cidade russa, revelou o Kremlin.

E hoje, os dois líderes compartilharam um breve telefonema durante o qual o Sr. Putin agradeceu a Donald Trump pelos esforços do serviço de inteligência.

Um oficial sênior da administração da Casa Branca confirmou que o casal falou no domingo.

Vem alguns dias depois, a dupla falou ao telefone sobre a Coréia do Norte.

O Kremlin disse que as informações fornecidas pela CIA permitiram que as agências russas de aplicação da lei prenderam os supostos atacantes antes que pudessem realizar seu plano.

O ataque frustrado deveria ter sido realizado na catedral de Kazansky, na segunda cidade de São Petersburgo, e em outros locais da cidade, onde um grande número de pessoas se reúnem.

A mídia russa informou na semana passada que o Serviço Federal de Segurança havia detido seguidores do grupo do Estado islâmico (ISIS) que planejava um atentado suicida na catedral de Kazansky em 16 de dezembro.

O Kremlin disse: "O presidente russo agradeceu a sua colega americano pela informação transmitida pela Agência Central de Inteligência, que ajudou a deter um grupo de terroristas que prepararam explosões na catedral de Kazansky de São Petersburgo e outros locais ocupados na cidade".

O Kremlin não deu detalhes sobre a identidade das pessoas detidas.

Em seu telefonema, o Sr. Putin pediu ao Sr. Trump para agradecer aos oficiais da CIA que haviam reunido a inteligência

Putin disse que a Rússia alertará as autoridades dos EUA se recebeu informações sobre qualquer ataque que esteja sendo planejado nos Estados Unidos.

Apesar do telefonema positivo, as relações entre Washington e Moscou estão repletas por desentendimentos sobre a Ucrânia, a Síria e o controle de armas.

Exacerbando isso são alegações de Washington, negadas pela Rússia, o Kremlin se intrometeu nas eleições presidenciais dos EUA no ano passado.

No entanto, as autoridades russas dizem que Putin acredita que o Sr. Trump não é o culpado da tensão e tentou manter as linhas de comunicação pessoais abertas entre os dois líderes.

O líder russo disse que restaurar os laços entre Moscou e Washington é vital porque os dois países precisam trabalhar juntos para combater os desafios globais, em particular a ameaça de radicais islamistas violentos.