segunda-feira, 19 de março de 2018

Nestlé e Coca-Cola se preparam para privatizar o segundo maior reservatório de água doce do mundo

O segundo maior reservatório de água doce do mundo sob ameaça de exploração. O Aqüífero Guarani é uma extensa reserva de água, sentada sob Argentina, Paraguai, Brasil e Uruguai e é mantida por esses países. 


Este abastecimento de água doce é uma necessidade para esses países, com algumas regiões que dependem completamente da reserva para todas as suas necessidades de água. Considera-se que o Aqüífero contém água suficiente para satisfazer as necessidades de água doce do mundo inteiro por dois séculos e, portanto, é imensamente valioso.

É nomeado após o povo guarani da América do Sul central, que foram deslocados de suas terras e cujo número diminuiu significativamente. Suas tentativas de recuperar o controle sobre algumas de suas terras se encontraram com sucesso limitado. Grande parte da terra anteriormente detida pelos guarani e acima do aquífero Guarani agora pertence aos da indústria brasileira de carne bovina e sugere-se que este fato seja outro motivo pelo qual o sistema jurídico brasileiro rejeita as queixas Guarani.

Mais contendores para o Aquifer surgiram recentemente sob a forma de gigantes globais Nestlé e Coca-Cola que, segundo notícias, querem usar a água privatizada com o acesso dos EUA e da Europa para durar por possivelmente um século. As conversações estão em andamento há algum tempo e, em janeiro de 2018, o CEO da Nestlé e da Coca-Cola teria realizado reuniões com o presidente brasileiro para continuar essas negociações. O Brasil tem cerca de um terço do Aqüiferante abaixo de suas terras, e seus vizinhos Paraguai e Argentina também estão interessados ​​em promover este plano. O Uruguai até agora não cumpriu. A Nestlé, especialmente, tem regras claras em sua declaração de missão de que se comportarão de forma ética e responsável em relação aos recursos naturais e aos direitos humanos. O uso da água do Guarani indígena deslocado não cabe com esta afirmação.

Alguns acusaram os EUA de tentarem controlar o reservatório durante mais de uma década. Os EUA intensificaram sua presença militar na América do Sul nos últimos anos, alegando que o terrorismo é a causa por trás dessa necessidade. A Argentina tem os EUA para avançar para construir uma base em meio a temores de que isso possa colocar os EUA na posição de ganhar mais controle sobre o Aqüiferante.

Escusado será dizer que o Aqüífero Guarani é um recurso que muitos gostariam de controlar, mas empresas como a Nestlé e a Coca-Cola possivelmente poderiam usá-lo e isso afetaria profundamente as regiões da América do Sul que dependem da sua única fonte de água.