quinta-feira, 5 de abril de 2018

Etiópia: Arca da Aliança é roubada, relatam autoridades da Igreja

Axum | O Patriarca da Igreja Ortodoxa Etíope Tewahedo, Sua Santidade Abune Mathias, anunciou esta manhã que o tesouro bíblico mais valorizado do mundo, a Arca da Aliança, foi roubado ontem à noite das catacumbas da Igreja de Nossa Senhora Maria de Sião. 

Os guardiões do artefato foram supostamente adormecidos através do uso de armas químicas, antes que os ladrões entrassem na cripta e roubassem o precioso item Sagrado.

A operação criminosa teria sido executada por uma equipe de 12 a 16 profissionais altamente treinados que viajaram a bordo de dois helicópteros militares negros. Eles pousaram a menos de 500 metros de seu objetivo depois de supostamente chegarem do leste. Os homens usavam uniformes negros de estilo militar e pareciam funcionar como uma unidade do exército bem coordenada. Eles estavam equipados com equipamentos de visão noturna e armados com armas de alto calibre, dando-lhes uma vantagem incrível sobre as forças de segurança locais.

A proteção da Arca foi deixada para um grupo de voluntários não treinados com AK-47s. A Igreja não via necessidade de mais segurança, pois esperava-se que a Arca se protegesse de pessoas com intenções impuras.

Os 11 guardas e voluntários armados presentes no local para defender a Arca foram neutralizados pelos ladrões, usando algumas granadas de alta tecnologia que liberavam um raro gás soporífero à base de ópio. Os ladrões então realizaram trabalhos árduos, usando britadeiras e explosivos para ampliar os corredores em vários locais dentro das catacumbas que levavam à Arca, a fim de serem capazes de remover o grande baú do cofre subterrâneo.

Toda a operação terminou em menos de uma hora, um tempo incrivelmente curto considerando o número de obstáculos que precisavam ser superados. Essa incrível eficiência sugere que os ladrões repetiram a operação e prepararam cuidadosamente o crime.

Poucos sinais do crime foram visíveis esta manhã no local, mas muitos danos foram relatados dentro das catacumbas sob o edifício.

 A Igreja Ortodoxa Etíope afirma possuir a Arca da Aliança em uma capela na pequena cidade de Axum, nas terras altas do seu país. Chegou há quase 3.000 anos atrás, dizem eles, e foi guardado por uma sucessão de monges virgens que, uma vez ungidos, são proibidos de pisar fora da área da capela até morrerem. Ninguém, exceto os Guardiões, pode ver a Arca, nem mesmo o Patriarca da Igreja.

A história é contada no  Kebra Negast  (em Ge'ez idioma, Glory of the Kings ), crónica da Etiópia da sua linha real: a Rainha de Sabá, um dos seus primeiros governantes, viajou para Jerusalém para se beneficiar da sabedoria do rei Salomão; a caminho de casa, ela deu à luz o filho de Salomão, Menelik. Alguns anos depois, Menelik foi visitar seu pai e, em sua viagem de volta, foi acompanhado pelos filhos primogênitos de alguns nobres israelitas - que, sem que ele soubesse, roubaram a arca ea levaram para a Etiópia.

Quando Menelik soube do roubo, ele argumentou que, uma vez que os terríveis poderes da arca não haviam destruído sua comitiva, a vontade de Deus era que permanecesse com ele. Foi então presumivelmente mantido nas ilhas do Lago Tana por cerca de quatrocentos anos e finalmente levado a Axum, onde foi mantido em segurança por mais de dois mil anos.

O desaparecimento da Arca é certamente uma notícia dramática para a Igreja Ortodoxa Etíope, já que muito do seu prestígio veio da posse da relíquia e muitos dos seus rituais estavam centrados nela. Sua Santidade Abune Mathias ficou visivelmente emocionada quando fez o anúncio de que muitos dos jornalistas e fiéis presentes na coletiva de imprensa começaram a chorar quando ouviram a notícia.