quinta-feira, 7 de junho de 2018

Possessão demoníaca é uma "coisa real" e eu já vi isso, diz psiquiatra proeminente

Um psiquiatra que leciona no New York Medical College e na Columbia University diz que estudou milhares de alegações de possessão demoníaca por 25 anos e descobriu que é de fato muito real.

O Dr. Richard Gallagher, psiquiatra formado em Princeton e Yale, diz ao The Telegraph  que "não é apenas intuição", mas lida com ele "de um ponto de vista muito científico".

Gallagher acrescenta que ele pode distinguir entre doença mental e "a coisa real".

"Há muitos outros psiquiatras e profissionais de saúde mental que fazem o que eu faço - talvez não no escopo que faço - que parecem hesitantes em falar", explica ele. "Isso é o que dá ao meu trabalho alguma singularidade. Que eu tive muita experiência e que estou disposto a falar. Sinto a obrigação de falar. Acho que deveria."

Falando com o Yahoo  no mês passado, Gallagher, que é católico, lembrou que um padre veio até ele há mais de 25 anos e procurou sua ajuda para determinar se uma mulher católica que alegou estar sendo atacada por forças invisíveis tinha alguma doença mental. Gallagher estava cético, mas examinou a mulher e encontrou hematomas que apareceriam espontaneamente.

"Não parece ser explicável com base em qualquer patologia médica ou psiquiátrica", disse ele. "Ela me pareceu completamente sã. Eu nunca tinha visto um caso assim antes."

Como não havia causa médica para seus ferimentos, ele concluiu que ela foi atacada por um espírito maligno.

Gallagher disse que examinou milhares de alegações de possessão demoníaca, mas descobriu que apenas 100 desses casos eram atividades demoníacas.

A lei canônica da Igreja Católica reconhece o exorcismo e a necessidade disso, mas permite que seja realizada somente após a permissão de alto nível de dentro da Igreja.

Em uma reunião de quatro dias  realizada pelo Vaticano na Sicília, no sul da Itália, no início deste ano, foram ouvidos testemunhos sobre seitas e satanismo. Um dos organizadores, Frei Beningo Palilla, disse que a Igreja estava preocupada com o fato de um número cada vez maior de pessoas se voltarem para cartomantes e leitores de tarô, o que poderia "abrir a porta para o diabo e para a possessão".

Ele disse que cerca de 500.000 casos que exigem exorcismo são vistos na Itália a cada ano.

Em janeiro, um dos principais exorcistas da Irlanda, pe. Pat Collins, alertou que casos de possessão demoníaca e outros fenômenos do mal estavam surgindo no país, instando os líderes da Igreja Católica a nomear uma equipe de exorcistas.

"Foi apenas nos últimos anos que a demanda aumentou exponencialmente", disse Collins ao The Irish Catholic na época.

"O que eu estou descobrindo desesperadamente são pessoas que em suas próprias mentes acreditam - correta ou incorretamente - que são afligidas por um espírito maligno", disse ele. "Eu acho que em muitos casos eles pensam erroneamente, mas quando eles se voltam para a Igreja, a Igreja não sabe o que fazer com eles e os encaminham para um psicólogo ou para alguém de quem eles ouviram falar interessado nesta forma de ministério, e eles caem entre as rachaduras e muitas vezes não são ajudados ".