segunda-feira, 30 de julho de 2018

A Arca de Gabriel: Antártica, Arábia Saudita e Russos. O que realmente está acontecendo?

ARÁBIA SAUDITA Em 12 de setembro de 2015, uma equipe que estava cavando um túnel abaixo da mesquita Masjid al-Haram, em Meca, descobriu um objeto misterioso. O projeto de construção era altamente controverso e envolvia a “demolição” da relíquia mais sagrada do Islã - tinha que haver uma boa razão para que isso acontecesse, ostensivamente as autoridades não estavam preparadas para compartilhar com o público.

Quando a tripulação se aproximou do objeto, 15 deles foram instantaneamente mortos pelo que mais tarde foi considerado uma emissão de plasma. Essa explosão de energia foi tão forte que derrubou um guindaste sobre o solo que matou mais 111 pessoas e feriu 394.

Mas as coisas pioraram ainda. Em 24 de setembro de 2015 - uma segunda tentativa foi feita para desenterrar o objeto misterioso, agora rotulado como "Arca de Gabriel", que resultou em uma outra "emissão de plasma" massiva que matou cerca de 4.000 pessoas a mais. Autoridades sauditas culparam a catástrofe em uma debandada para evitar ter que dizer que uma emissão de plasma extremamente poderosa que foi lançada por um objeto desconhecido matou tantas pessoas na área do desastre. Não poderia ter sido um desastre causado por uma debandada, já que as vítimas não estavam cobertas de sangue e não tinham ossos quebrados; eles simplesmente caíram mortos.

O que aconteceu antes e depois dos acidentes é bastante estranho, sobretudo porque a maior parte é cuidadosamente mantida fora da visão do público em geral, em alguns casos durante séculos. Após o acidente, emissários da Grande Mesquita entraram em contato com o patriarca da Igreja Ortodoxa Russa Vladimir Mikhailovich Gundyayev, também conhecido como Kirill, porque a Igreja Ortodoxa Russa possuía um antigo documento chamado "Instruções de Gabriel a Maomé" , que provavelmente contém informações sobre como aproximar-se do objeto, similar às precauções ritualísticas que os sacerdotes judeus tinham que tomar antes de se aproximarem da Arca da Aliança sem serem mortos instantaneamente.

A Rússia transporta a Arca de Gabriel com escoltas militares pesadas para a Antártida.

Primeiro, uma outra questão pede para ser respondida. Por que no mundo os sauditas derrubariam a relíquia mais valiosa do Islã? O que poderia ser importante o suficiente para destruir (como mostram as duas primeiras fotos deste artigo) o que os muçulmanos consideram o marco mais importante de sua fé? Pode ser uma descoberta incompreensível de algum tipo. Talvez um semelhante ao que ocorreu em 2003 nas montanhas romenas Bucegi.

No ano de 2003, um satélite norte-americano equipado com radar de penetração no solo descobriu uma cavidade subterrânea nas montanhas Bucegi que tinha uma forma geométrica perfeita (esférica), o que significa que não poderia ser um produto da natureza que produza formas orgânicas. Para torná-lo ainda mais complexo e misterioso, em 1999 um helicóptero do exército israelense caiu na área, matando todos os 6 passageiros. De qualquer forma, com a ajuda do serviço secreto romeno do Departamento Zero, a CIA correu para a cavidade. Quando a tripulação quis entrar na cavidade - que foi selada por um campo de força misterioso - eles morreram instantaneamente, exatamente como os membros da tripulação de tunelamento em Meca.

Uma estrutura subterrânea semelhante à encontrada na Romênia foi encontrada no Iraque, razão pela qual os EUA invadiram e ocuparam o país - o petróleo é um mero bônus.

Há rumores que sugerem que a Arca de Gabriel e a Arca da Aliança pertencem às Pirâmides como fontes de energia.