sábado, 7 de julho de 2018

Igreja irá parar de chamar Deus de Deus e encontrar um "gênero neutro" não sexista

A Igreja Episcopal acaba de formar um comitê para "fornecer um caminho" para a revisão do "Livro de Oração Comum" para incluir a linguagem não sexista.

Os líderes da Igreja pediram revisões imediatas para corrigir "o uso irresistível da linguagem masculina" ao longo do livro, argumentando que a linguagem é agora um obstáculo à inclusão espiritual, segundo o site da Igreja Episcopal .

"Enquanto 'homens' e 'Deus' estiverem na mesma categoria, nosso trabalho em direção à equidade não será apenas incompleto. Eu honestamente acho que isso não importará de alguma forma," Wil Gafney, um professor de Bíblia Hebraica e um forte advogado da revisão, disse o Washington Post .

O Serviço de Notícias Episcopais compartilhou outras preocupações dos líderes da Igreja de que a linguagem atual criou uma “barreira para evangelizar os jovens”.

Kathleen Moore, seminarista da Diocese de Vermont, disse que está tentando ajudar os jovens a tornar a linguagem de gênero um obstáculo para a fé em Deus.

Um subcomitê foi encarregado de fornecer resoluções como parte de um processo de revisão de 12 anos, seguido de um período experimental de três anos.

Como a revisão do livro de orações faz parte da constituição da igreja, "a adoção de um novo livro exige que os votos em duas convenções gerais consecutivas entrem em vigor, o que coloca a aprovação final na agenda em 2030", segundo a igreja.