terça-feira, 24 de julho de 2018

Talco da Johnson & Johnson é comprovado por causar câncer e empresa terá de pagar 4,7 bilhões de dólares a 22 mulheres

Talco para bebé da Johnson & Johnson causa cancro.

Isso é o que entende uma corte no Missouri, Estados Unidos, que por isso condenou a multinacional a pagar uma indenização equivalente a cerca de 4,7 bilhões de dólares a 22 mulheres.

Essas mulheres alegam ter desenvolvido cancro de ovário ao usar talcos produzidos pela Johnson & Johnson.

A poderosa empresa farmacêutica nega veementemente as acusações.

Ela assegura que seus produtos não causam cancro ou contêm substâncias cancerígenas.

Porém, a Johnson & Johnson enfrenta cerca de 9 mil processos judiciais envolvendo o talco que fabrica para bebés.

Foram seis semanas de julgamento.

Uma batalha jurídica com 22 mulheres afirma que desenvolveram cancro de ovário depois de usar o talco para bebés e outros produtos em pó da empresa.

O pior é que, das 22 mulheres que foram à Justiça à procura de indemnização, seis morreram antes da conclusão.

E adivinha de quê?

De cancro no ovário.

Os advogados das mulheres alegam que a Johnson & Johnson sabia que o talco estava contaminado com amianto desde os anos 1970, mas escondeu o facto dos consumidores.

O amianto é comprovadamente um cancerígeno.

Segundo o New York Times, já houve outras derrotas da multinacional por causa do uso dessa substância nos seus talcos.

Em 2013, um júri do Tribunal Distrital Federal em Dakota do Sul considerou a Johnson & Johnson negligente, mas não concedeu indenização aos acusadores.

Mas outros embates na Justiça terminaram em indenizações milionárias, incluindo um veredicto de US$ 417 milhões dado pelos jurados do Tribunal Superior do Condado de Los Angeles no ano passado.

Quando tudo começou

Estudos divulgados nos anos 1980 comprovaram a forte conexão entre o talco e o cancro do ovário.

Eles mostraram que as mulheres que usam esse produto tinham 300 vezes mais probabilidades de desenvolver cancro do ovário.

Houve grande repercussão na mídia americana.

Mas a Johnson & Johnson negou todas as evidências das pesquisas.

A empresa baseia-se, entre outras coisas, num laudo da entidade britânica Cancer Research, que afirma não existirem provas científicas da ligação entre o uso do talco e o cancro do ovário.

“Mesmo que exista um risco, é provavelmente pequeno”, salientou um responsável da associação britânica.

O mercado de talcos fatura, só nos Estados Unidos, mais de 18 milhões de dólares por ano.