quarta-feira, 8 de agosto de 2018

URGENTE: Uso de glifosato é SUSPENSO em todo Brasil por preocupações ligadas ao câncer

Ao ouvir o quanto o glifosato é perigoso, a primeira pergunta de muitas pessoas é por que é permitido que ele seja vendido se for tão mortal. A resposta a essa pergunta, pelo menos nos EUA, é muito complexa e envolve muito dinheiro e manobras políticas. No Brasil, no entanto, o senso comum parece prevalecer, já que um juiz do país suspendeu o uso de produtos com glifosato.

Um juiz federal em Brasília determinou que os novos produtos que usam o produto químico em sua formulação não podem ser registrados lá, e os registros existentes serão suspensos nos próximos 30 dias, enquanto o governo dá uma olhada mais de perto na toxicologia. O fungicida thiram e o inseticida abamectina também estarão sujeitos a esta decisão.

Não será surpreendente ver uma série de apelos à decisão, o que poderia afetar a Monsanto com muita força. A empresa comercializa uma soja geneticamente modificada, resistente ao glifosato, amplamente plantada no Brasil. O Brasil é o maior exportador de soja do mundo, devido principalmente à alta demanda da China. Cepas de algodão e milho que são resistentes ao glifosato também são usadas no país - pelo menos por enquanto.

Em 2015, um promotor federal pediu ao Departamento de Justiça do Brasil para banir o glifosato devido a preocupações com problemas de saúde. Restrições ao glifosato no Brasil são consideradas relativamente frouxas, com limites de aplicação definidos em até 500 mg / L; o limite de aplicação da União Europeia é de 5.000 vezes menos a 0.1 mg / l.
.
Países ao redor do mundo estão restringindo e banindo o glifosato

O Brasil se junta a uma lista crescente de países que baniram o produto químico tóxico ou restringiram seu uso. Em 2013, El Salvador proibiu o herbicida Roundup após estudos independentes relacionarem o produto químico a doenças renais, câncer e outras doenças.

O poder dos elementos: Descubra o enxaguatório bucal de prata coloidal com ingredientes naturais de qualidade, como a seiva de Sangre de Drago, cascas de nogueira preta, cristais de mentol e muito mais. Zero adoçantes artificiais, cores ou álcool. Saiba mais na Health Ranger Store e ajude a apoiar este site de notícias.

A Bélgica proibiu o uso individual do produto químico e votou contra o relicenciamento na UE no ano passado. Foi também um dos seis países membros da UE a assinar uma carta pedindo à Comissão Europeia que estabelecesse um plano de saída para o glifosato. Além disso, a cidade de Bruxelas tem uma política de “zero pesticidas”, o que significa que o glifosato é completamente proibido lá.

A Holanda também proibiu o uso e venda de herbicidas que contêm glifosato para uso não comercial em todo o país.

Na Argentina, mais de 400 cidades e municípios aprovaram medidas que restringem o uso do glifosato. Depois que a Agência Internacional para Pesquisa em Câncer concluiu que o produto químico é “provavelmente carcinogênico para humanos”, mais de 30.000 profissionais de saúde no país defenderam a proibição do ingrediente.

A França e a Alemanha devem se juntar à lista em breve. Em novembro passado, o presidente francês Emmanuel Macron anunciou que o país proibirá o glifosato imediatamente nos próximos três anos. Em janeiro, o governo de coalizão na Alemanha iniciou o processo de proibição do glifosato, e algumas lojas de varejo do país já retiraram o Roundup e herbicidas similares de suas prateleiras.

Lista crescente de problemas de saúde e ações judiciais

No mês passado, um juiz federal dos EUA determinou que havia evidências suficientes para centenas de ações judiciais contra a Monsanto, apresentadas em nome de pacientes com câncer, para que fossem julgadas. Os processos alegam que o Roundup causou o linfoma não-Hodgkin das pessoas e que a Monsanto sabia sobre o risco, mas não avisou os reguladores e consumidores.

Estudos também ligaram o químico a uma lista muito longa de problemas, incluindo doenças cardíacas, doença celíaca, síndrome inflamatória do intestino, doença hepática, doença renal, doença de Parkinson, defeitos congênitos, autismo, TDAH e mal de Alzheimer. Também está prejudicando o meio ambiente, afetando a biodiversidade e colocando todo o ecossistema em risco.

Dados todos esses perigos, é surpreendente que a lista de locais proibidos pelo glifosato não seja mais longa. Quantas pessoas têm que morrer antes que esse ingrediente perigoso seja finalmente banido pelo planeta?