sexta-feira, 7 de setembro de 2018

Ex-líder racista é batizado por pastor negro depois de dar sua vida a Cristo

Um homem racista que serviu como líder da Ku Klux Klan , deu sua vida a Cristo e foi batizado por um pastor negro , a quem ele odiava e agora abraça como irmão . 


Ken Parker fez parte de movimentos neo-nazistas por seis anos e, desde 2012, tornou-se parte da Ku Klux Klan (KKK), uma organização racista secreta que nasceu no século XIX nos Estados Unidos. Dentro da hierarquia do grupo, ele era o Grande Dragão, que representava o estado da Flórida . 

Nos últimos doze meses, seus conceitos mudaram radicalmente  através de uma profunda experiência com Deus e com os princípios do Evangelho . 

Parker estava nas polêmicas manifestações em Charlottesville, nas quais centenas de homens e mulheres faziam saudações nazistas e gritavam slogans contra negros, imigrantes, homossexuais e judeus . 

Durante os protestos ultra-nacionalistas , Parker conheceu o cineasta Deeyah Khan, que estava filmando para um documentário sobre grupos de ódio . Sua atitude de generosidade tocou o coração dos neo-nazistas. 

"Depois do protesto, ela veio até mim para ter certeza de que eu estava bem ", disse Parker à NBC News, devido a essa atitude, a mulher passou a lidar com muitas dúvidas nos meses seguintes. 

"Ela era completamente respeitosa comigo e com minha namorada o tempo todo ", diz ela sobre Khan." Isso me fez pensar: ela era uma mulher de confiança. Só porque ela tem a pele mais escura e acredita em um Deus diferente de mim, por que eu deveria odiá-la? 

Alguns meses depois, Parker conheceu um vizinho afro-americano , o pastor William McKinnon. No início, o menino não sabia que ele era pastor, mas ele sabia que havia algo diferente nele . 

O casal começou a conversar com McKinnon, que os convidou para o culto da igreja. Seis anos depois de ingressar na KKK e sete meses após o protesto em Charlottesville,  Parker decidiu que estava cansado de sua vida eEle se rendeu a Jesus Cristo . 

Um mês depois, ele apareceu diante da congregação afro-americana para contar seu testemunho. "Eu disse que era um grande dragão da KKK, mas a Klan não era suficientemente odioso, então eu decidi para se tornar um nazista , " lembra Parker. "Mas depois da igreja, um deles me disse algo negativo. Todos eles me abraçou e apertou a minha mão, me incentivando a continuar. 

Desde então, a sua transformação tem sido intensa . Recentemente, Parker entrou no mar para ser batizado por Pastor McKinnon , cercado por membros da igreja 

No dia seguinte, Parker foi a uma clínica para remover suas tatuagens, Retire o desenho da suástica, o símbolo da KKK ea bandeira confederada com as palavras " orgulho branco ". 

"Quero dizer, sinto muito mesmo", disse Parker quando perguntado sobre todas as pessoas que ele machucou todo esse tempo. "Eu sei que tenho espalhados muito ódio e nojo, peço desculpas àqueles que eu machucar. Agora tenho uma nova vida em Cristo e amor , " ele disse.