terça-feira, 2 de outubro de 2018

''As pessoas têm mais empatia com cães do que com humanos'' Conclui estudo

Um estudo revelou que as pessoas têm mais empatia por cães do que outros seres humanos. Os seres humanos mostram aos cães mais pena se o animal está sofrendo do que eles sofrem em circunstâncias semelhantes.

Pesquisadores da Northwestern University decidiram realizar um estudo envolvendo 240 graduandos entre 18 e 23 anos de idade. Os pesquisadores deram as histórias dos jornais dos estudantes para ler que eles inventaram que envolviam ataques sem sentido. 

Todas as histórias continham uma vítima sofrendo lesões, incluindo uma perna quebrada e cortes depois de ser espancado com um taco de beisebol. Na história, a pessoa foi deixada inconsciente e encontrada pelos socorristas.

Os detalhes nas histórias inventadas permaneceram consistentes, no entanto, os pesquisadores fizeram aleatoriamente o texto da história. Eles fizeram quatro vítimas, randomizando a vítima na história divulgada. Um era adulto, uma criança de 1 ano de idade; um cachorro de 6 anos e um filhote.

Idade da vítima afetada

Os pesquisadores pensaram que a idade da vítima mostraria uma indicação de que existe um maior grau de vulnerabilidade e isso explicaria a empatia dada pelos graduandos. Perguntas foram usadas para medir a empatia em uma escala de 7, um pouco de empatia, para 112, muito. Os graduandos foram questionados sobre como se sentiam sobre cada uma das novas histórias que haviam lido.

O estudo revelou que os alunos de graduação estavam mais chateados com o bebê de um ano de idade sendo atacado com um taco de beisebol e sendo deixado inconsciente. Curiosamente, o filhote veio em seguida, seguido pelo cão de seis anos e, finalmente, a vítima adulta. Isso disse aos pesquisadores que os cães conseguiam mais empatia das pessoas do que outro ser humano. Também disse a eles que a idade contribuiu.

O estudo incluiu cerca de três quartos das mulheres estudantes de graduação. Os estudantes do sexo feminino foram mais simpáticos para todas as vítimas feitas nos relatos dos ataques do que os machos foram. O autor do estudo sugeriu que a quantidade de empatia sentida em relação às vítimas veio de como a vítima era impotente, isso parecia ser independente do fato de a vítima ser um filhote ou uma criança. Uma coisa que veio do estudo foi o fato de que animais peludos trazem tanta preocupação para as pessoas quanto os jovens seres humanos.