sexta-feira, 9 de novembro de 2018

Cientistas querem atrair extraterrestres com um 'farol' planetário que pode alcançar até 20 mil anos luz de distancia

Um novo estudo do MIT propôs que a tecnologia a laser poderia ser forte o suficiente para ser usada como um farol que poderia atrair a atenção até 20.000 anos-luz de distância.


O estudo, publicado no Astrophysical Journal, afirma que se um laser de um a dois megawatts de alta potência fosse colocado através de um telescópio de 30 a 45 metros e apontado para o espaço , a combinação resultaria em um feixe de radiação infravermelha forte o suficiente para se destacar da energia do sol.

O propósito de tal sinal é ser detectado por astrônomos alienígenas, particularmente aqueles em sistemas próximos. Se um sinal for detectado, o estudo sugere que o mesmo laser megawatt poderia ser usado para enviar uma mensagem usando pulsos. Pulsos têm semelhanças com o código Morse.

Essa ideia pode parecer radical. No entanto, o estudo afirma que a tecnologia que existe hoje permitirá essa possibilidade em um futuro próximo.

O autor da pesquisa é James Clark. Clark iniciou o projeto desenvolvendo um projeto padrão que consiste em um grande laser infravermelho e um telescópio para aumentar o foco da intensidade do laser. O objetivo de Clark era produzir um sinal forte o suficiente para se destacar contra o sinal infravermelho do sol. Eventualmente, Clark encontrou as combinações certas de lasers em telescópios de várias potências e tamanhos.

Clark alega que o melhor lugar para o farol é no topo de uma montanha, a fim de minimizar a quantidade de atmosfera que o laser teria que passar antes de ser direcionado ao espaço. Clark admite que haveria problemas de segurança com um laser tão poderoso, como a possibilidade de prejudicar a visão dos indivíduos se eles olhassem diretamente para ela. Além disso, o laser pode afetar a tecnologia a bordo de espaçonaves se o laser passar.

"Se você quisesse construir essa coisa do outro lado da lua, onde ninguém está morando ou orbitando muito, então isso poderia ser um lugar mais seguro para ela", diz Clark. "Em geral, este foi um estudo de viabilidade. Seja ou não uma boa ideia, isso é uma discussão para trabalhos futuros."

Clark espera que o estudo leve ao desenvolvimento de técnicas de imageamento infravermelho que possam localizar balizas a laser, bem como identificar gases na atmosfera de um planeta distante que possa indicar a vida.