quarta-feira, 28 de novembro de 2018

Cupins constroem colônia do tamanho da Grã-Betanha em caatinga da Bahia

Insetos levaram cerca de 4 mil anos para ocupar uma área de 230 mil km quadrados. Estima-se que foram movidos cerca de 10 km cúbicos de terra 

Uma equipe formada por quatro biólogos publicou neste mês, na revista científica Current Biology, a descoberta de uma colônia de cupins que está sendo considerada a maior estrutura biológica do mundo. 

O cupinzeiro está localizado quase que em sua totalidade na caatinga da Bahia, na região Nordeste. Segundo as imagens de satélites, os insetos ocupam uma área de 230 mil quilômetros quadrados, dimensão maior do que a Grã-Bretanha. 

As análises da terra usada para construir a colônia indicam que a estrutura tem cerca de 4 mil anos. Hoje, os montes característicos dos cupinzeiros, atingem mais de 2,5 metros de altura e chegam a nove metros de diâmetro. 

Essas estruturas cônicas são formadas conforme os túneis subterrâneos são construídos pelos insetos. Para levantar os cerca de 200 milhões de montes contabilizados pelos cientistas, estima-se que foram movidos cerca de 10 km cúbicos de terra. 

A colônia de cupins seria o maior exemplo conhecido de engenharia do ecossistema de uma única espécie de inseto. Pela estimativa dos pesquisadores, o volume deslocado de solo para ocupar toda a área seria suficiente para erguer 4 mil pirâmides de Gizé, no Egito

O baixo interesse econômico da região teria favorecido para que os insetos sofressem pouco impacto da ação do homem. O solo da caatinga tem características que dificultam o uso para a agricultura. Fonte: R7