sábado, 2 de fevereiro de 2019

Bolsonaro vai acabar de vez com a 'lavagem cerebral de gênero' das crianças nas escolas

O novo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, prometeu abolir a "lavagem cerebral por gênero" em escolas que ensinam "um menino que ele não é um menino e uma menina que ela não é uma menina".

Durante um discurso em vídeo aos cidadãos, Bolonsaro disse que proibiria os professores de explorarem "ideologias perigosas" que se opõem aos valores cristãos tradicionais.
Infowars.com relata: Bolsonaro entregou a mensagem enquanto usava uma camisa de futebol do Japão, afirmando: “No Japão, crianças de 6/7 anos podem resolver problemas de matemática que nossos estudantes universitários não podem, porque aqui no Brasil, é mais importante ensinar um menino que ele não é um menino e uma menina que ela não é uma menina (como eles fizeram no National High School Exam) do que ensinar-lhes algo que lhes permita libertar-se do bem-estar social, pobreza e miséria. ”

O presidente brasileiro também afirmou que as forças de esquerda do país estavam tentando transformar a pedofilia em um estilo de vida sexual alternativo, apontando informações sobre o site oficial do Partido dos Trabalhadores, que redefine a pedofilia como um transtorno mental e não um crime.

“É isso que eles [o Partido dos Trabalhadores] querem para as crianças desde os seis anos de idade. O que eles estão fazendo em todo o Brasil? ”, Perguntou Bolsonaro. “Aproximadamente 100 mil escolas públicas estão sendo usadas para propaganda política do Partido dos Trabalhadores”.

O voto de Bolsonaro de "defender a dignidade" das crianças brasileiras segue uma promessa anterior de que ele ajudaria a eliminar "o lixo marxista que se estabeleceu em instituições educacionais", afirmando que "vamos evoluir para formar cidadãos e não mais militantes políticos".

Ele também insistiu que o país deveria "resistir ao globalismo politicamente correto, que adotou a louca noção de educação de gênero".

Para supervisionar a missão, Bolsonaro designou Ricardo Velez-Rodriguez como Ministro da Educação do Brasil, um homem encarregado de restabelecer o sistema educacional do país para suplantar o modelo anterior que “desmantela os valores tradicionais de nossa sociedade [...] de família, religião e patriotismo ”.