sexta-feira, 1 de fevereiro de 2019

Fotógrafo brasileiro mostra o resultado de um projeto de reflorestamento de 20 anos com mais de 2,7 milhões de árvores

Nos últimos vinte anos, um projeto está acontecendo no Brasil, e agora acabou, todos finalmente conseguem ver os resultados, mas o que o projeto poderia ser? O projeto de reflorestamento foi considerado tão importante que até o famoso ator e ativista Leonardo DiCaprio deu a atenção que merecia. O projeto tinha o objetivo de restaurar uma quantidade significativa de árvores perdidas, valendo o desafio de 20 anos.

O que é isso?

Durante a década de 1990, um fotógrafo brasileiro tomou a iniciativa de iniciar um projeto que terá revitalizado florestas e florestas em todo o mundo. Não é apenas a flora que beneficiaria também. Com milhares, se não milhões de árvores plantadas nas últimas duas décadas, a fauna, como pássaros, mamíferos e insetos, também se beneficiará de mais comida, abrigo etc.

O homem em questão é o fotógrafo estabelecido, Sebastião Salgado, que, junto com esta esposa, LéliaDeluizWanick Salgado, iniciou o projeto depois de se decepcionar com os maus tratos às florestas em todo o mundo. Não foi só isso embora. A família Salgado já enfrentou o desmatamento em primeira mão depois que sua fazenda foi seriamente danificada. De fato, este foi o ponto de partida da família para iniciar o projeto.

O projeto

O projeto começou em casa no estado de Minas Gerais. Sebastião Salgado lembrou-se de que o ser já floresceu com a flora e a fauna quando era criança, a maioria das quais agora havia sido destruída pela humanidade.

A idéia de replantar as árvores chegou à esposa de Salgado, Lélia, e depois disso, não demorou muito para que eles colocassem sua ideia em prática. Finalmente, em 1998, o casal decidiu iniciar uma campanha de arrecadação de fundos e abriu o Instituto Terra como resultado. A partir de hoje, o instituto pode se orgulhar de plantar mais de 2 milhões de árvores que deram ao meio ambiente uma nova vida.

O resultado

O resultado deste projeto é bastante surpreendente. Com o tempo, o instituto do casal recuperou mais de 1.500 acres de terra somente em Minas Gerais. Sua fazenda foi premiada com a Reserva Particular do Patrimônio Natural (RPPN), o que é uma honra em si. A vida selvagem está crescendo novamente também. Cerca de 172 espécies retornaram completamente. 

Destes, 33 espécies eram mamíferos, 15 espécies eram anfíbios; 15 espécies eram répteis e as 293 espécies restantes eram plantas.