quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

Meia tonelada de maconha desaparece e policiais afirmam que tudo foi culpa dos ratos

8 Policiais foram demitidos e estavam tão desesperados que culparam os ratos e alegaram que os roedores estavam comendo meia tonelada de maconha que havia desaparecido.

Notou-se que a cannabis havia desaparecido quando a polícia fez uma inspeção no depósito em que estava armazenada em Pilar, na Argentina.

Javier Specia, ex-comissário de polícia, deixou 13.000 libras de maconha não assinada quando se aposentou de sua posição há um ano. Seu sucessor conduziu uma busca com os oficiais e descobriu que meia tonelada da substância estava faltando.

Especialistas em alimentos da Universidade de Buenos Aires disseram que não há como os camundongos confundirem cannabis com alimentos. Eles chegaram a dizer que, mesmo que os ratos tenham encontrado e acreditado que foram comidos, eles teriam encontrado um grande grupo de ratos mortos na loja, depois de ingeri-los.

Assuntos internos foram chamados depois que o déficit foi descoberto

A cannabis foi armazenada a 60 quilômetros de Buenos Aires por mais de dois anos. Inicialmente, 6.000 kg foram armazenados e registrados, mas após a inspeção foram encontrados apenas 4 460 kg no depósito.

Ao perceber o grande déficit do comissário, Emilio Portero notificou o departamento de assuntos internos e fez uma inspeção no armazém.

Specia e três policiais foram chamados antes do juiz Adrián González Charvay, e os três homens deram a mesma explicação para a cannabis perdida, os ratos a tinham comido. Agora os quatro policiais serão chamados perante o juiz para testemunhar em 4 de maio.

O trabalho do juiz será descobrir se a cannabis perdida é o resultado da negligência da polícia. A Specia também está enfrentando uma investigação interna da polícia, já que ela não enviou seu depoimento de 2017.

O caso sugere que tanto os oito policiais quanto o comissário tomaram a maconha perdida e aproveitaram os lucros depois de vendê-la nas ruas. Por outro lado, existem muitos ratos atordoados e confusos que vivem nas ruas de Buenos Aires.