terça-feira, 4 de junho de 2019

Sony registra patente de lentes de contato que tiram fotos ao piscar os olhos

A Sony acaba de registrar uma patente para lentes de contato inteligentes, seguindo os esforços do Google e Samsung na corrida para acompanhar o futuro dos óculos antes que essa nova tecnologia esteja disponível.

A patente, vazada pela Sony Alpha Rumors, descreve lentes conectadas que podem capturar uma foto quando o usuário pisca um olho, armazenam a foto e a enviam à um dispositivo sem fio, como um smartphone, tablet ou computador.

Para capturar as fotos, a patente descreve o uso de um dispositivo como um smartphone para acionar as lentes para capturar. Mas é difícil imaginar um método mais fácil para tirar uma foto que piscar, ativado por um sensor de luz na lente que detecta o movimento da pálpebra. A patente também aponta que as lentes têm a capacidade de zoom, foco e alterar a abertura.

Não é só isso, mas as lentes também teriam um monitor, permitindo a visualização de imagens capturadas. Exibir imagens em lentes de contato é algo que os cientistas já vem trabalhando ha algum tempo.

A Sony descreve a capacidade de interagir com as lentes através de um smartphone, para ligar e desliga-las e escolher opções de imagens. Se você não tiver um smartphone a mão mas não quiser tirar uma fotografia cada vez que você piscar, a Sony descreve um botão on / off na própria lente.

“No momento em que o usuário pressiona um canto de seu / sua pálpebra fechada, o movimento é detectado pelo sensor piezoelétrico [pressão] e o mecanismo é ativado”, segundo a patente.

Mesmo que as câmeras de lentes pareçam legais, muita tecnologia é necessária para colocar tantos atributos em algo tão pequeno como uma lente de contato. A questão de como exatamente tudo isso pode ser alcançado em nível técnico fica muito vago, por isso ainda ficamos  à espera de um protótipo funcional que pode nunca ser lançado. A sofisticação destas lentes de contato inteligentes requer tecnologia que não se encaixam confortavelmente em uma lente.

Mesmo que ninguém use essas lentes pelo menos pelos próximos dois anos, a patente nos dá um vislumbre do possível futuro dos óculos inteligentes e como eles podem funcionar.