domingo, 8 de setembro de 2019

Procurando tecnologia alienígena avançada, KGB encontra corpo mumificado de visitante extraterrestre

No início dos anos 60, a KGB iniciou a operação ISIS, um projeto secreto destinado a descobrir ou obter tecnologia extraterrestre. Em vez disso, eles acabaram encontrando o corpo de um alienígena datado de 13.000 anos atrás, no platô de Gizé, no Egito.

No início da Guerra Fria, a URSS teve um pequeno ataque de pânico ao pensar que os Estados Unidos já poderiam ter um trunfo crucial e decisivo, obtido com a possível descoberta, estudo e, finalmente, a replicação de tecnologia alienígena, como aquela recuperada do infame local do acidente de Roswell.

Assim, os russos se esforçaram bastante na busca de artefatos semelhantes, esperando encontrar algo ainda melhor do que seus inimigos.

O primeiro lugar lógico para pesquisar seria o Egito, que está cheio de estruturas misteriosas como as pirâmides, a esfinge ainda mais antiga ou vários túmulos antigos que continuam descobrindo até hoje. O Egito era um aliado da Rússia, então a KGB perguntou aos serviços locais se eles tinham alguma informação sobre algo remotamente próximo do que eles estavam procurando.

As autoridades egípcias disseram que não têm informações reais, mas ouviram uma história sobre o túmulo do deus visitante, contada a eles no leito de morte por dois beduínos em um hospital local. Dizem que eles encontraram acidentalmente o túmulo de um ser extraterrestre e logo depois de entrar ficaram repentinamente doentes e tiveram que ser levados às pressas para a emergência mais próxima.

Os beduínos não sobreviveram à misteriosa doença brutal, mas antes de morrerem, confessaram toda a experiência. Ao receber essas informações, a URSS reuniu rapidamente uma equipe formada por cientistas, arqueólogos e equipe militar, que foram enviados para a África, onde se uniriam a uma equipe egípcia semelhante para procurar o local. Tudo isso é confirmado por Viktor Ivanovich, um cientista da Rússia que tinha permissão para estudar alguns arquivos de inteligência classificados.

NÃO HÁ DÚVIDA DE QUE UM PEQUENO GRUPO DE CIENTISTAS RUSSOS COM ESPECIALISTAS MILITARES DESCOBRIU UMA TUMBA NO EGITO EM 1961. MAS NOS DOCUMENTOS NUNCA FOI REVELADO EXATAMENTE O QUE FOI ENCONTRADO DENTRO DO SARCÓFAGO. SOMENTE FONTES DAS MAIS ALTAS FILEIRAS DA KGB SABEM QUE ENCONTRAMOS OS RESTOS DE UMA CRIATURA ALIENÍGENA QUE MORREU NO EGITO 10.000 ANTES DE CRISTO. ”

A missão binacional foi um sucesso e a equipe não apenas localizou a tumba, mas também recuperou uma grande quantidade de artefatos. Relatórios entre altos funcionários da KGB mostram que nada menos que quinze caixotes de tais maravilhas desconhecidas foram recuperados do túmulo de Deus.

As paredes da tumba também estavam cheias de marcas hieroglíficas, que uma equipe de egiptólogos russos e locais trabalhou incansavelmente para primeiro copiar e depois traduzir. Entre os parágrafos que podem ser traduzidos estão histórias do retorno de um deus estrangeiro, retratado com grandes asas. A equipe também relatou um escudo ou barreira segurando-os como se estivesse protegendo algo ou alguém. Nós não sabemos quem ou o quê.

DURANTE A INSPEÇÃO DAS PAREDES, NOTAMOS UMA ESTRANHA FORÇA REPULSIVA SAINDO DAS PAREDES. NÃO CONSEGUIMOS ENCONTRAR NENHUMA EXPLICAÇÃO CIENTÍFICA. ”

A grande surpresa veio ao encontrar o local de descanso e os restos mumificados de Deus. Seu tamanho é consideravelmente maior que o de um homem normal, e provavelmente teria sido ainda maior enquanto vivo (a mumificação reduz drasticamente os corpos). Os restos foram testados em carbono e acredita-se que tenham aproximadamente 13.000 anos de idade.

A mitologia antiga do Egito nos diz que a primeira dinastia foi gerada por Osíris, que era parte homem e parte deus e desceu à Terra a bordo de um navio voador. Isso claramente não é uma profecia, mas a descrição de um encontro de OVNIs, pois eles não tinham conhecimento de tais coisas naquela época. Nesse caso, a KGB poderia ter tropeçado no corpo de nosso verdadeiro criador.

Também há vídeos da expedição, que os especialistas declararam válidos e não forjados. Sendo dos anos 60, é preto e branco e mostra escavações arqueológicas em detalhes. Diz-se que o filme foi recebido por um terceiro russo com acesso privado a arquivos de segurança secretos.

Por alguns segundos, você pode ver os membros da tripulação com pressa de sair da sala, pois o gás tóxico é espalhado quando o caixão é aberto e um membro até disse ao cameraman para parar de filmar e sair. Uma equipe menor volta mais tarde usando equipamento de proteção.

Muitos anos depois, ainda não sabemos exatamente a que tecnologia ou segredos eles descobriram ou a quem realmente pertencia o corpo.