sexta-feira, 14 de setembro de 2018

Oito espécies de pássaros - incluindo a ararinha azul do filme Rio - estão oficialmente extintas da natureza

A ararinha do filme Rio, uma espécie de arara brasileira que estrelou o filme de animação infantil Rio, se extinguiu na natureza.



Ele se junta a sete outras espécies de aves declaradas extintas por uma nova análise de animais ameaçados de extinção - tornando-os os primeiros aviários a morrerem nesta década.

Os cientistas culpam o desmatamento pelas perdas, que incluem o poo-uli, a coruja-pigmeu de Pernambuco e a enigmática caçadora de árvores.

A maioria das aves que morrem são espécies de ilhas pequenas, tornando-as vulneráveis ​​à caça, mas cinco das oito extinções ocorreram na América do Sul, disseram pesquisadores. 

A arara do filme Rio é uma das oito espécies de aves consideradas extintas após uma nova análise estatística.  As aves, que incluem o poo-uli, a pigmeu-pernambucana e a enigmática caçadora de árvores, são as primeiras a morrer nesta década.


Pesquisadores da BirdLife International, um grupo de ONGs de conservação com sede em Cambridge, no Reino Unido, realizaram uma análise estatística das espécies ameaçadas de extinção.

Eles disseram que o estudo destacou uma crise de extinção em grandes continentes causada por danos ao meio ambiente por parte dos seres humanos.

Stuart Butchart, cientista-chefe da BirdLife International, disse: 'As pessoas pensam em extinções e pensam no dodô, mas nossa análise mostra que as extinções estão continuando e se acelerando hoje.

Historicamente, 90% das extinções de aves têm sido populações pequenas em ilhas remotas.

"Nossas evidências mostram que há uma onda crescente de extinções que se espalham pelo continente, causada pela perda de habitat devido a agricultura, drenagem e extração de madeira insustentáveis".

Os pesquisadores examinaram 51 espécies consideradas "criticamente ameaçadas" na lista vermelha da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN).

Mais de 26 mil espécies do mundo estão ameaçadas, de acordo com a lista, alertando cientistas que podem estar dirigindo o sexto grande evento de extinção do planeta.

De acordo com a nova análise, oito espécies de aves podem agora ser adicionadas à crescente lista de extinções confirmadas ou "altamente prováveis".

Quatro das extinções ocorreram no Brasil, incluindo a arara do Spix, que foi comercializada em gaiolas por 150 anos antes que um trio de aves selvagens fosse encontrado em 1985.

Dois deles foram capturados ilegalmente, enquanto tentativas de reproduzir o terceiro falharam.

O último avistamento selvagem conhecido foi em 2000, embora aves em cativeiro estejam sendo usadas para se reproduzir em programas de restauração.

Três outras espécies, a poo-uli, a enigmática caçadora de árvores e a alagoana folhagem-gleane, podem ter desaparecido para sempre, de acordo com a análise.

O QUE É A 'LISTA VERMELHA' EM PERIGO?

Espécies da lista vermelha ameaçada de extinção são animais da mais alta prioridade de conservação que precisam de 'ação urgente' para salvar.

Uma lista Âmbar é reservada para o próximo grupo mais crítico, seguida por uma lista verde.

Critérios da lista vermelha:

Ameaçado globalmente
Declínio histórico da população no Reino Unido durante 1800-1995
Grave (pelo menos 50 por cento) declínio na população reprodutiva do Reino Unido nos últimos 25 anos
Grave (pelo menos 50 por cento) contração da faixa de reprodução no Reino Unido nos últimos 25 anos  
No ano passado, no Reino Unido, várias outras espécies foram adicionadas à lista. 

Estes incluíram:  

Papagaio-do-mar atlântico
Rouxinol 
Pato de cauda longa 
Tartaruga onde
O alagoeiro, um pequeno pássaro da floresta também nativa do Brasil, foi extinto em 2011 após o desmatamento intenso.

Após sua descoberta em duas áreas de floresta no nordeste do Brasil em 2002, o caçador de árvores secreto não foi descoberto desde 2007.

As pequenas florestas onde foi encontrada foram cortadas e substituídas por plantações de cana-de-açúcar.

O poo-uli, encontrado apenas na ilha de Maui, no Havaí, não é visto desde 2004, e tentativas de criá-lo em cativeiro não tiveram sucesso.

Das oito espécies a serem reclassificadas como extintas, quatro estão 'criticamente ameaçadas (possivelmente extintas)'.

Eles incluem a arara glaucosa, antes encontrada na Argentina, no Uruguai e no Brasil, antes que seu habitat de palmeiras fosse destruído para a agricultura.

Outra é uma pequena coruja comedores de insetos, a coruja pigmeu pernambucana, que não é encontrada no estado brasileiro de Pernambuco desde 2002.

Grande parte do habitat da ave foi destruída pela exploração madeireira.

O Dr. Butchart espera que os resultados chocantes estimulem uma melhor conservação das espécies ameaçadas no futuro.

"Como conhecemos as aves melhor do que qualquer outra classe taxonômica sabemos quais outras espécies estão em maior risco", disse ele.

"Esperamos que este estudo inspire um redobramento de esforços para evitar outras extinções".