terça-feira, 2 de abril de 2019

Papa aconselha cristãos a não evangelizarem muçulmanos em Marrocos

MARROCOS.- O papa Francisco advertiu os cristãos durante sua visita a Marrocos sobre "proselitismo" e pediu à minoria cristã que "não tentasse converter os outros" . 


Falando na Catedral de Rabat em seu segundo dia na capital marroquina, Francisco insistiu que tentar converter as pessoas à sua própria crença " sempre leva a um impasse ". 

"Por favor, sem fazer proselitismo!" Ele disse a uma platéia de cerca de 400 pessoas, que saudaram a chegada do Papa com aplausos, enquanto centenas de outras pessoas se reuniram do lado de fora da Catedral. " A igreja não cresce pelo proselitismo, mas pelo testemunho ."

Deve-se notar que os cristãos no Marrocos são uma pequena minoria, onde 99% da população é muçulmana , com os africanos subsaarianos constituindo uma grande parte da comunidade católica do país. 36,2 milhões de pessoas, 31.400 são cristãos (dividida entre católicos, anglicanos, protestantes, ortodoxos gregos e Ortodoxa Russa. 

Islamismo é a religião oficial do Estado e as autoridades fazem questão de sublinhar a " tolerância religiosa " de país, que permite cristãos e judeus a adorar livremente 

, no entanto, essa "tolerância" é facilmente desmascarada em vista da informação de que os marroquinos são automaticamente considerados muçulmanosse eles não nascem na comunidade judaica. A apostasia é desaprovada socialmente e o evangelismo é criminalizado . 

"Eu protejo judeus marroquinos, assim como cristãos de outros países , que moram no Marrocos", disse o rei Mohammed VI à multidão após a chegada do papa. 

No entanto, o que acontece é que os ex-muçulmanos são vítimas freqüentes de fortes preconceitos sociais, apenas porque entregaram suas vidas a Jesus.