domingo, 8 de setembro de 2019

Templo Satânico afirma: 'Mais de 50% de nossos membros é LGBTQ'

Em uma entrevista à revista britânica Attitude, Lucien Greaves, co-fundador do Templo Satânico nos Estados Unidos, diz que "mais de 50% de nossos membros são LGBTQ" e essa é uma "estimativa conservadora".



Attitude é a revista gay mais vendida no mundo. O Templo Satânico foi fundado em 2013 e promove uma agenda humanista secular. O Templo, com sede em Salem, Massachusetts, nega que exista um verdadeiro Satanás e alega que não adora o Diabo. 

Lucien Greaves, co-fundador do Templo Satânico.

"Seria uma estimativa conservadora dizer que mais de 50% de nossos membros são LGBTQ", disse Greaves à Attitude . "Acho que é porque se sentem deserdados e desprovidos de privilégios das instituições religiosas tradicionais".

"Então, você tem uma população disposta a adotar uma identificação religiosa que está ousadamente disposta a falar o contrário", disse ele. 

“No templo satânico, somos todos praticamente iguais”, disse Greaves. “Somos todos satanistas e não é como se tivéssemos 'tolerância' para pessoas trans ou gays ou profissionais do sexo - simplesmente não se importa, e muitas pessoas nessas comunidades apreciam isso. ”

Greaves, um pseudônimo que ele usa para proteger sua família de ameaças de morte, continuou dizendo que o Templo Satânico frequentemente participa de paradas do Orgulho LGBT e apóia iniciativas LGBT.

Um documentário sobre O Templo Satânico, intitulado "Salve Satanás?" foi lançado recentemente. 

"Nossos capítulos estão sempre envolvidos nas paradas do Pride nos Estados Unidos, estão sempre fazendo algo pela comunidade LGBTQ e sempre abertos à inclusão", disse Greaves à Attitude . 

Ele disse ainda que o Templo Satânico apóia o aborto, bem como a agenda gay, e lutará contra tentativas de reverter Roe v. Wade ou leis que afetam os homossexuais. 

Copos satânicos à venda na página "Shop Satan" no site do Templo Satânico.
 
"Nós sempre lutaremos contra eles", disse ele. "Nós lutaremos até a morte para garantir que haja direitos iguais para a comunidade gay".

Os comentários de Lucien Greaves foram publicados inicialmente na edição online de 23 de agosto da Attitude . 

Veja o vídeo a seguir: