quinta-feira, 24 de outubro de 2019

VÍDEO DE UM PASTOR “TRANSFORMANDO” ÁGUA EM VINHO NA IGREJA VIRALIZA

Um vídeo que circulou nas redes sociais se tornou viral, no qual um pastor do Brasil é observado, transformando água em vinho, conforme afirma o líder evangélico.


Este é o pastor Jonas de Paula, 37 anos, cristão há 10 anos, natural de Itaperuna, no Rio de Janeiro, e pastor da Igreja Poder da Fé em Guaçuí por dois meses. O líder e fundador do templo religioso é conhecido no município de Caparaó por causa do vídeo do suposto "milagre".

No vídeo, o pastor aparece com a mão estendida em uma tigela de água, com vários papéis que seriam pedidos de oração e invoca o Espírito Santo pedindo o milagre de transformar água em vinho.

Nesse momento, ele move as mãos no vaso e uma cor avermelhada começa a emergir da água. Segundo o pastor, o material é vinho e está disponível na igreja para quem quiser ver.

A fiel Roselena Costa, 54, que não perde nenhum culto, diz que viu os vídeos do pastor no Facebook e sabendo que ele viria a Guaçuí começou a frequentar a igreja.

«Desde a abertura da igreja, há dois meses, eu participo. Eu já vi muitas curas e milagres que acontecem na vida das pessoas. Mesmo eu sou um deles. Fiquei muito triste por não sair de casa, comecei a ver o pastor através de um vídeo no Facebook. Ontem foi inesquecível, testemunhei a transformação da água em vinho. É uma coisa linda. Eu nunca tinha visto isso. É impressionante ", diz ele.

Quanto a transformar água em vinho, o pastor alega que não é alguém que consegue realizar a transformação e que, para que a pessoa aconteça, ele deve ser íntimo de Deus.

«Este milagre é bíblico. Nós não seguimos nada fora da Bíblia. Nos cultos de terça-feira, os fiéis se reúnem onde todos podem ver essa transformação. Eu sempre digo no culto que, para que isso aconteça, o pastor precisa ser muito íntimo de Deus, você viu? Ele não é pastor, não ”, explicou o padre.

Para ver o vídeo do pastor fazendo o suposto "milagre", você pode ver abaixo o link e tirar suas próprias conclusões: