domingo, 17 de novembro de 2019

Dois pastores são decapitados em meio à violência contra cristãos na Etiópia

Dois pastores etíopes foram decapitados durante um surto de violência contra cristãos no país africano, segundo relatos fornecidos por uma testemunha dos eventos.

O infeliz evento ocorreu na cidade de Sebeta, perto da capital Adis Abeba. O informante do ministério Barnabas Fund ressalta que a situação na região se tornou "bastante difícil para os cristãos" e que muitas igrejas foram queimadas este ano .

Há também um relatório não verificado de que um grupo de cristãos foi forçado a sair da cidade majoritária muçulmana de Ginir, localizada 438 km a sudeste da capital.

O exército foi chamado para restaurar a ordem depois que 67 pessoas morreram e 213 ficaram feridas em Addis Abeba e na região de Oromia durante vários dias de tumultos .

Acredita-se que o ativista muçulmano e magnata da mídia de alto nível, Jawar Mohammed, tenha causado tumultos quando anunciou a seus apoiadores que o governo havia removido sua proteção de segurança pessoal. Os protestos de rua subsequentes contra o primeiro-ministro Abiy Ahmed estouraram em violência.

Desde setembro de 2018, violentos confrontos étnicos levaram cerca de dois milhões de etíopes a se mudarem internamente.

Em outubro, o primeiro ministro etíope Abiy Ahmed Ali, que é um cristão pentecostal,  ganhou o Prêmio Nobel da Paz de 2019  por seu trabalho para alcançar a paz no conflito entre a Etiópia e a vizinha Eritreia.

Os dois países travaram uma guerra de fronteira entre 1998 e 2000. Eles restauraram as relações em julho de 2018 após anos de hostilidade.