sexta-feira, 17 de janeiro de 2020

Comissão considera 33 padres católicos culpados de abusar de 175 crianças

Um grande número de padres católicos é apaixonado por abusar de quase 200 crianças, de acordo com um novo relatório.

Desde a sua fundação em 1941, 33 padres pedófilos que eram membros dos Legionários de Cristo abusaram de 175 crianças pequenas, de acordo com um relatório divulgado por uma comissão interna.

“A comissão não abordou a questão do abuso de poder e consciência, nem investigou as deficiências das ações de alguns superiores para analisar onde pode ter havido encobrimento, negligência ou omissões. A comissão está ciente de que esta é uma tarefa pendente importante ”, afirma o relatório de 21 de dezembro.

Relatórios da CNA : pe. Marcial Maciel, que fundou a ordem, abusou de pelo menos 60 menores.

Além disso, 74 dos seminaristas da ordem abusaram de menores. Destes, 14 foram ordenados. Três desses 14 foram ordenados depois de 2005 e "os superiores os admitiram à ordenação sem o conhecimento dos fatos".

A investigação foi tomada com vista ao capítulo geral da Legião, que começará em 20 de janeiro de 2020.

Citando o sigilo do abuso, o relatório também observa que "provavelmente há mais casos de abuso do que os relatados aqui e as estatísticas terão que ser atualizadas periodicamente".

O relatório não menciona os padres que abusaram de menores, citando "diferenças na legislação nacional e ... as considerações éticas em jogo", embora a província dos EUA da ordem tenha publicado sua própria lista de padres infratores.

A grande maioria das vítimas eram meninos entre 11 e 16 anos, afirma o relatório.

Os 33 padres que abusaram de menores constituem 2,44% dos padres da ordem. Desses 33, seis morreram, oito deixaram o sacerdócio, um deixou os legionários e 18 permanecem na congregação.

Desses 18, 14 não têm ministério sacerdotal público, enquanto quatro "têm um ministério restrito que exclui o trabalho pastoral com menores (escolas, grupos de jovens etc.)". Esses quatro também "têm um plano de segurança pessoal", de acordo com o relatório .

Quatorze sacerdotes da Legião que cometeram abuso de menores foram eles próprios vítimas de abuso na ordem.

“Vale ressaltar que 111 das vítimas foram vítimas do padre Maciel, ou foram vítimas de suas vítimas ou de uma de suas vítimas. Isso representa 63,43% das 175 vítimas de padres na Congregação. ”

"Os seminários menores da Congregação, onde residiam mais de 10.000 estudantes, foram o ambiente mais vulnerável a abusos nas décadas anteriores", afirmou o relatório.

“Isso se deve, em primeiro lugar, aos riscos associados de um internato. Além disso, vários outros fatores convergiram, como o pouco tempo que os alunos passaram com suas famílias naquele momento, a formação e supervisão insuficientes de jovens diretores, deficiências na formação afetivo e uma pedagogia que enfatizava mais a disciplina. ”

Além de pe. Nas vítimas de Maciel, 65 menores foram abusados ​​nos seminários menores da Legião.

Nenhum abuso conhecido em um seminário menor da Legião ocorre desde 2012 e seus seminários menores passaram por reformas em 2015.

Nas escolas da ordem, 33 menores foram vitimados; três nas paróquias; e um no ministério da juventude.

"Lamentamos e condenamos os abusos cometidos em nossa história, bem como as práticas institucionais ou pessoais que podem ter favorecido ou encorajado qualquer forma de abuso ou revitimização", diz o relatório. "Reconhecemos com honestidade e envergonhamos a realidade dos crimes de abuso de menores na história da Legião, desejando sinceramente uma contínua conversão pessoal e institucional".

A Legião de Cristo foi durante muito tempo objeto de relatórios e rumores críticos antes de ser abalada pelo reconhecimento do Vaticano de que seu fundador carismático viveu uma vida dupla, seminaristas vítimas de abuso e filhos de pais.

Em 2006, a Congregação da Doutrina da Fé removeu Maciel do ministério público e ordenou que ele passasse o resto de sua vida em oração e penitência. A congregação decidiu não submetê-lo a um processo canônico por causa de sua idade avançada.

A partir desse ponto, Bento XVI iniciou um processo de reforma para a Legião de Cristo, um processo continuado sob o papa Francisco.
Loading...