segunda-feira, 10 de fevereiro de 2020

Em perigo... Especialista em risco natural alerta que "existe uma grande ameaça de tsunami na Espanha"

O especialista em risco natural e pesquisador do Instituto de Hidráulica Ambiental da Cantábria, Ignacio Aguirre, disse que "há uma grande ameaça de tsunami na Espanha" e alertou as autoridades sobre a importância de instruir a população a saber como agir antes. Um fenômeno dessas dimensões.

O sul da Espanha e o leste do Mediterrâneo têm uma sismicidade ativa que o torna muito propenso a tsunamis. De fato, o especialista afirma que a Península Ibérica corre o risco de sofrer esse tipo de fenômeno natural, como ocorreu em diferentes ocasiões, a mais grave em 1755 e a última em 1969 e 2003, ocorrida nas Ilhas Baleares, embora não houvesse necessidade. Lamentar vítimas.



Com o título de 'Tsunamis', Aguirre ofereceu na quarta-feira uma palestra dentro do ciclo 'Ciência e experiência, riscos geológicos e sociedade', que acontece até 10 de julho na sede de Santa Cruz de Bezana dos Cursos de verão da Universidade da Cantábria.

Aguirre argumenta que, dada a “capacidade brutal devastadora” dos tsunamis, as estratégias de preparação devem ser realizadas antes que ocorram, “uma preparação chave”, com a qual “é preciso ter conhecimento do risco real que existe, um mapeamento de esses riscos para ver quais áreas podem ser afetadas e a partir daí é necessário começar a instruir os gestores políticos, a sociedade em geral, para que eles tenham conhecimento do risco de tsunami e possam salvar vidas. ”

“O conhecimento é muito importante e existem duas estratégias fundamentais no caso dos tsunamis: o planejamento da evacuação anterior à sua ocorrência, o que requer análise e mapeamento de riscos, e sistemas de alerta precoce, com protocolos para que as informações contidas nesses alertas chegam à população ”, afirma o especialista.

No caso da Espanha, existe um centro de alerta contra o tsunami, o Instituto Geográfico Nacional, que emite alertas à Diretoria Geral de Proteção Civil e Emergências, mas a partir daí não há protocolo para a população.

Embora no caso da Península Ibérica o terremoto de Lisboa tenha sido a maior catástrofe associada a um processo natural na Europa, foi o tsunami na Indonésia que marcou um antes e um depois para a população e até para a comunidade científica .

“A partir do tsunami de 2004, foram criados grupos de trabalho, foi criado o sistema de alerta precoce do Oceano Índico, do Caribe e do Noroeste do Atlântico e Mediterrâneo, que é onde a Espanha está enquadrada. Felizmente, os tsunamis têm uma probabilidade muito baixa de ocorrência, mas, infelizmente, não prestamos a atenção necessária em áreas ameaçadas, como o sul da Espanha. ”
Loading...